Notícia

Walmart pode acabar com unidades no Brasil e ES pode ser afetado

Intenção de investidores é concentrar forças em outras marcas do grupo, como o Sam's Club

Loja da marca Walmart em Vitória
Loja da marca Walmart em Vitória
Foto: Vitor Jubini

Em uma complicada situação por questões financeiras, administrativas e de participação de mercado, o grupo Walmart Brasil, que possui sete marcas, deve começar reduzir seu portfólio de empresas e unidades. A intenção do fundo americano Advent, que comprou a operação do Walmart Brasil em 2018, é que a marca Walmart perca força, deixando de ser utilizada, até ser encerrada de vez no país.

Com isso, o grupo - que hoje é dono das marcas Sam’s Club, Big, Bompreço, Mercadorama, Maxxi e Todo Dia, além do próprio Walmart -, passaria após um ousado enxugamento a operar com quatro carros-chefe: Sam’s Club (clube de compras), Maxxi (atacarejo), Bom Preço (no Nordeste) e Big (no Sul). 

Apesar de o grupo ainda não divulgar possíveis unidades a serem encerradas ou mudadas de marca, a medida pode acabar afetando o Espírito Santo, que possui duas lojas do grupo em Vitória, uma com bandeira Walmart e outra do Sam's Club. A tendência é que o movimento nacional seja seguido aqui.

> Walmart pagará R$ 1 bilhão para encerrar investigação sobre corrupção

A marca Walmart, concentrada em hipermercados, deve naturalmente perder espaço. Hoje, parte das lojas já estão sendo convertidas em Maxxi ou Sam’s Club pelo país. Entre as 400 lojas do grupo, mais de 100 unidades são no formato de hipermercados, segundo informações do jornal "O Estado de S. Paulo".

A complicada operação do grupo no Brasil já era conhecida pela Advent na época da aquisição. Ao se comprometer a investir cerca de R$ 2 bilhões na varejista nos próximos anos, o fundo sabia dos gargalos. Antes de fechar o negócio com o fundo no ano passado, a matriz americana vinha tentando se desfazer das operações do Brasil havia dois anos.

A possibilidade reflete a série de erros que o Walmart cometeu desde o início de suas operações por aqui, em 1995, diz Alexandre van Beeck, sócio-diretor da GS&Consult. O lema “preço baixo todo dia” nunca foi entendido pelo consumidor brasileiro. “A estratégia promocional é incentivo para o consumidor ir à loja. Sem ela, a frequência fica comprometida”, diz. “Além disso, o cliente não achava que, na soma do carrinho, o Walmart era mais barato que as outras.”

Terceiro lugar no mercado

Além dos problemas estruturais, também pesa na decisão o fato de que o Walmart Brasil amarga um distante terceiro lugar em relação a Carrefour e Grupo Pão de Açúcar no varejo de alimentos.

Um das táticas para reverter essa participação no mercado tem sido o foco nas vendas físicas. Em março, o Walmart também fechou a operação na internet – hoje, o site se resume a uma lista das lojas físicas. Segundo apurou o "Estado", a ideia é retomar a venda on-line, com a entrega de alimentos.

Outras estratégias seria essa reorganização do portfólio aliada a conversão de hipermercados – segmento de baixo retorno – em atacarejos. Até agora, a empresa anunciou 20 conversões, além de reformas nas 45 lojas existentes. A marca Maxxi deve ancorar esse processo, ao lado do Sam’s Club, clube de compras de estrutura semelhante.

Lojas em Vitória

Hoje, o grupo Walmart Brasil possui duas lojas em Vitória. Um Walmart, na Reta da Penha, e outra do Sam's Club, em Bento Ferreira. No passado, o grupo chegou a cogitar a expansão para outras cidades do Estado, como Linhares, mas devido as dificuldades econômicas os planos não foram à frente.

O Gazeta Online questionou o Walmart se já há uma definição quanto às unidades no Estado, como mudança de bandeira ou mesmo a venda, mas não houve resposta.

O jornal "O Estado de S. Paulo" também procurou o grupo e a Advent para comentar sobre o processo de reorganização, mas nenhum posicionamento foi dado.

Ver comentários