Notícia

Petrobras avança no processo de venda de campos de petróleo no ES

São 27 campos de produção em terra em Norte do Estado. Venda deve ampliar produção, atrair investimentos e criar empregos

Produção da petróleo em terra
Produção da petróleo em terra
Foto: Divulgação

O processo de venda da Petrobras de campos de petróleo em terra (onshore) no Espírito Santo deu um novo passo. A estatal divulgou nesta sexta-feira (6) que deu início à fase vinculante referente à venda de suas participações em concessões de exploração e produção terrestre de 27 campos no Espírito Santo e outros 14 na Bahia.

Além dos campos maduros, a venda inclui as instalações compartilhadas de escoamento e tratamento de produção, localizados no Espírito Santo, nos municípios de São Mateus, Jaguaré, Linhares e Conceição da Barra, denominadas conjuntamente Polo Cricaré.

Em maio, a Petrobras havia iniciado a chamada "divulgação de oportunidade" dessas vendas. Agora, as empresas que manifestaram interesse nos ativos e foram habilitadas para essa fase receberão "carta-convite com instruções detalhadas sobre o processo de desinvestimento, incluindo orientações para o envio das propostas e a realização de due diligence (diligência prévia, uma espécie de investigação da oportunidade de negócio que o investidor deve aceitar para avaliar riscos da transação ).

> Petrobras diz que vai focar investimentos no Espírito Santo, Rio e SP 

A estatal é operadora com 100% de participação em todos os contratos de concessão, que compreendem os seguintes campos: Biguá, Cacimbas, Campo Grande, Córrego Cedro Norte, Córrego Cedro Norte Sul, Córrego Dourado, Córrego das Pedras, Fazenda Cedro, Fazenda Cedro Norte, Fazenda Queimadas, Fazenda São Jorge, Guriri, Inhambu, Jacutinga, Lagoa Bonita, Lagoa Suruaca, Mariricu, Mariricu Norte, Rio Itaúnas, Rio Preto, Rio Preto Oeste, Rio Preto Sul, Rio São Mateus, São Mateus, São Mateus Leste, Seriema e Tabuiaiá.

Segundo a Petrobras, em 2018 a produção total média desses campos foi de cerca de 2,8 mil barris por dia (bpd) de óleo e 11 mil metros cúbicos de gás por dia.

Em julho, a estatal também anunciou o início do processo de venda de dois campos de produção de gás natural e em um bloco de exploração no Litoral Norte do ES, incluindo uma plataforma 

Venda deve atrair investimentos e gerar empregos

Conforme A Gazeta já havia mostrado, a expectativa é de que a venda dos campos atraia mais investimentos para o Espírito Santo, amplie a produção de óleo e gás, e crie empregos diretos e indiretos na região Norte do Estado.

Segundo especialistas, espera-se que a empresa compradora invista para aumentar a produção dos poços e, com isso, faça a arrecadação com royalties crescer e gere 3 mil empregos na região.

A cessão do direito de exploração no Estado também abre espaço para a instalação de minirrefinarias na região.

> Minirrefinarias nos planos de companhias para o ES

A venda dos campos capixabas faz parte do plano de desinvestimentos da Petrobras. A empresa vem vendendo artigos para reduzir as dívidas que tem e para focar sua atuação nas reservas do pré-sal. “Essa operação está alinhada à otimização do portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando a geração de valor para os nossos acionistas”, comentou a estatal em comunicado aos investidores em maio.

Na época, o gerente de Petróleo e Gás da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), Durval Vieira de Freitas, disse que a estatal vem priorizando os investimentos offshore (no mar) em relação ao onshore (em terra). “É uma questão estratégica para a estatal. Ela tem campos novos com alta produção em alto mar. E em terra teria que se dedicar a poços com produção em escala muito menor”, explica.

Ver comentários