Notícia

Recepção amigável em condomínios ajuda na adaptação a regras

Síndico é o responsável por recepcionar e orientar os novos moradores

Foto: Freepik

Compreensão, tolerância e respeito podem até ser atitudes que estão se tornando raras, mas são extremamente necessárias para uma boa relação de vizinhos. E quando isso envolve a chegada de novos moradores no prédio, uma boa recepção ajuda a não fazê-los se sentirem perdidos e também é uma boa chance para apresentar as regras do prédio.

A responsabilidade de recepcionar e orientar os novos moradores deve ser do síndico. Uma prática que tem sido adotada é a criação de “kit de boas-vindas” para os futuros condôminos, além de uma apresentação in loco das áreas de lazer e convívio do prédio.

Leia também

“Esse kit deve incluir uma ficha cadastral para ser preenchida pelo novo vizinho, seja ele inquilino ou proprietário, com os dados de todos os moradores do imóvel, além de cadastro de placa de veículos e os telefones de contato do síndico e demais representantes”, orienta o síndico profissional Eduardo Laranjeira.

REGRAS 

É fundamental que o morador tome conhecimento das regras de convivência, logo em sua chegada à nova residência. Essas normas estão registradas no Regimento Interno e Termo de Convenção do condomínio.

Quando a compra ou locação é feita por intermédio de uma imobiliária, a própria empresa já apresenta para o futuro morador os livros de regras, junto da entrega das chaves. Uma pessoa nova que entra no condomínio não pode dizer que não tinha conhecimento das normas do prédio”, ressalta a diretora-geral da Real Administradora de Condomínios, Caroline Rosestolato.

ATRITOS

Como nem tudo são flores, alguns atritos entre novos e antigos moradores são comuns nos primeiros dias de convivência.

“O que mais gera problemas é o uso das áreas de lazer, estacionamento irregular e uso inadequado das área de convivência. Por mais que o novo morador assine o termo de responsabilidade de uso do espaço, sempre dá algum problema. Percebemos que falta o costume nas pessoas de lerem de verdade o regimento interno”, afirma Caroline Rosestolato. (Jaider Miranda)

 

 

Ver comentários