Notícia

Homem-bomba mata 31 pessoas em Cabul

Chefe de polícia de Cabul disse que o suicida atacou civis que estavam reunidos para receber cartões de identificação nacionais

Movimentação no entorno do centro de recenseamento eleitoral, depois de um atentado suicida em Cabul, no Afeganistão, neste domingo (22)
Movimentação no entorno do centro de recenseamento eleitoral, depois de um atentado suicida em Cabul, no Afeganistão, neste domingo (22)
Foto: RAHMAT GUL/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Um homem-bomba atingiu um centro de registro de eleitores na capital afegã no domingo, matando pelo menos 31 pessoas, em um ataque reivindicado pelo grupo do Estado Islâmico.

Wahid Majro, porta-voz do Ministério Público da Saúde, disse que outras 54 pessoas ficaram feridas no ataque de domingo. O general Daud Amin, chefe de polícia de Cabul, disse que o suicida atacou civis que estavam reunidos para receber cartões de identificação nacionais.

A grande explosão ecoou pela cidade, quebrando janelas a quilômetros de distância do local de ataque e danificando vários veículos próximos. A polícia bloqueou todas as estradas que levam para o local da explosão, com apenas ambulâncias permitidas. Estações de TV locais fizeram transmissão de imagens ao vivo, nas quais aparecem centenas de pessoas reunidas nas proximidades em busca de informações sobre entes queridos.

O general Daud Amin, chefe da polícia de Cabul, afirmou que o homem-bomba atacou civis que se reuniram para receber cartões de identificação
O general Daud Amin, chefe da polícia de Cabul, afirmou que o homem-bomba atacou civis que se reuniram para receber cartões de identificação
Foto: RAHMAT GUL/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O grupo do Estado Islâmico assumiu a responsabilidade em uma declaração realizada por sua agência de notícias Aamaq, dizendo que tinha como alvo "apóstatas" xiitas.

O Afeganistão realizará eleições parlamentares em outubro.

Na semana passada, três policiais responsáveis pela guarda do recenseamento eleitoral em duas províncias afegãs foram mortos por militantes, de acordo com autoridades.