Notícia

Na Inglaterra, pílulas abortivas poderão ser tomadas em casa

Remédio utilizado nas primeiras dez semanas é ministrado apenas em clínicas atualmente

Na Inglaterra, pílulas abortivas poderão ser tomadas em casa nas primeiras dez semanas de gestação
Na Inglaterra, pílulas abortivas poderão ser tomadas em casa nas primeiras dez semanas de gestação
Foto: Womenonweb/Divulgação

Mulheres na Inglaterra poderão tomar pílulas abortivas em casa, de acordo com o novo plano do governo, que deve entrar em vigor até o final do ano. Atualmente, inglesas que interrompem a gravidez nas primeiras dez semanas fazem isso tomando pílulas em uma clínica especializada. São duas doses com intervalo de 24 a 48 horas entre a primeira e a segunda. Sob o novo plano, que alinha a Inglaterra com a Escócia e com o País de Gales, a segunda pílula poderá ser tomada em casa. Isso evita o risco de o aborto acontecer no percurso entre a residência e a clínica.

>Claudia Alencar revela aborto aos 17: "nunca me arrependi"

Segundo a BBC, a diretora do departamento médico do governo inglês, Dame Sally, disse que a mudança aumenta o poder de escolha das mulheres e garante que elas recebam "cuidados seguros e dignos". "O aborto pode ser uma experiência difícil, por isso é importante que as mulheres se sintam o mais seguras e confortáveis o possível".

A legalização do uso doméstico do misoprostol também foi bem recebida pelos principais ginecologistas do país. A professora Lesley Regan, presidente do Royal College of Obstetricians and Gynecologists, disse que foi "um grande passo para a saúde da mulher".

> Aborto é um atentado a vida

— Esta medida simples e prática irá fornecer às mulheres significativamente mais opções e é o cuidado mais compassivo que podemos dar a elas — disse a médica, concluindo. — Isso permitirá que as mulheres evitem a angústia e o constrangimento de sangramento e dor durante a jornada para uma desnecessária segunda visita a uma clínica ou hospital.

Ver comentários