Notícia

Senador australiano culpa muçulmanos por ataques a mesquitas

Fraser Anning falou que a verdadeira causa do banho de sangue foi o programa de imigração que permitiu a entrada de fanáticos muçulmanos no país

Foto: Reprodução/TV Globo

Um senador australiano da direita radical pode perder o cargo por ter culpado muçulmanos pelos ataques na Nova Zelândia. Na sexta-feira (15), um supremacista branco nascido na Austrália atirou contra fiéis em duas mesquitas na cidade de Christchurch. O saldo até agora foi de 50 mortos e 34 feridos.

Horas depois do atentado, o senador Fraser Anning falou que a verdadeira causa do banho de sangue foi o programa de imigração que permitiu a entrada de fanáticos muçulmanos no país. "Embora esse tipo de vigilância violento nunca possa ser justificado, o que se destaca é o crescente medo dentro de nossa comunidade, tanto na Austrália quanto na Nova Zelândia, da crescente presença muçulmana", disse ele.

Leia também

A reação contra Anning veio de todos os lados. Jacinda Ardern, primeira-ministra neozelandesa, classificou os comentários como "uma desgraça". Os partidos liberal e trabalhista, rivais em Canberra, concordaram em apresentar uma moção conjunta de censura ao senador. 

Na sociedade civil, a revolta foi forte. Quase um milhão de australianos assinaram uma petição para que ele seja removido do cargo e investigado por apoio ao terrorismo de direita. 

Políticos na Austrália são destituídos somente se tiverem cidadania de outro país ou se cometerem um crime. Anning não tem dupla nacionalidade, mas um incidente no sábado (16) pode levá-lo ao tribunal. Durante um discurso filmado em Melbourne, o senador bateu em um adolescente que o atingira com um ovo em protesto por suas declarações xenofóbicas.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, garantiu que Anning irá enfrentar todo o peso da lei. Além de agredir fisicamente o manifestante, o senador poderá ser enquadrado na Lei de Discriminação Racial de 1975, que proíbe atos públicos de ofensa, insulto, humilhação ou intimidação contra uma pessoa ou um grupo em função de raça. 

Anning é chamado de senador "acidental" desde que ganhou o posto por acaso. Desconhecido entre os eleitores nas eleições de 2016, ele se beneficiou da popularidade do Pauline Hanson's One Nation (PHON), partido que leva o nome da própria líder e tem uma plataforma baseada em xenofobia, racismo e nacionalismo. 

A senadora Pauline Hanson, considerada uma versão australiana de Donald Trump, recebeu 21 mil votos no estado conservador de Queensland e carregou o companheiro de chapa, Malcolm Roberts, que obteve só 77 votos. Mas Roberts acabou sendo considerado inelegível pela Suprema Corte por ter também a nacionalidade britânica.

Fraser Anning, que tinha conseguido meros 19 votos, assumiu a cadeira vaga, abandonando o PHON uma hora depois de empossado. 

Desde então, vem se envolvendo em polêmicas racistas. Em discurso no Parlamento no ano passado, o senador disse que "enquanto nem todos os muçulmanos são terroristas, certamente todos os terroristas hoje em dia são muçulmanos". 

A tragédia de sexta-feira, causada por alguém que se apresenta como um "homem branco comum", contraria o argumento de Anning.