Notícia

Jovem enfrenta pena de morte na Arábia Saudita por ter protestado

As acusações contra ele incluem participação em protestar contra o governo, comparecer ao funeral de irmão, se associar a uma "organização terrorista", jogar coquetéis molotov em uma delegacia de polícia e atirar contra as forças de segurança

Murtaja Qureiris, menino árabe que protestou aos 10 e foi condenado à morte aos 18.
Murtaja Qureiris, menino árabe que protestou aos 10 e foi condenado à morte aos 18.
Foto: Reprodução | CNN

Durante os levantes da Primavera Árabe em 2011, um menino de dez anos liderou um protesto infantil, no qual crianças montadas em bicicletas manifestavam por direitos humanos na região leste da Arábia Saudita. Três anos depois, aos 13, Murtaja Qureiris foi preso sob alegação de participar de protestos violentos e associação com grupos terroristas. Hoje, aos 18, ele pode enfrentar a pena de morte.

Segundo a Anistia Internacional, o Ministério Público da Arábia Saudita entrou com pedido de pena de morte para Qureiris em agosto do ano passado, alegando uma série de delitos, alguns dos quais datam de quando o garoto tinha dez anos.

Uma das acusações contra o jovem é ter acompanhado aos 10 anos seu irmão, Ali Qureiris, de motocicleta até uma delegacia na cidade de Al-Awamiyah, onde eles teriam jogado coquetel molotov contra os oficiais. Ali morreu quando Murtaja estava com 11 anos, em um protesto que o reino saudita classificou como violento.

Leia também

Murtaja Qureiris aparece em filmagens obtidas pela CNN na linha de frente de um protesto de ao menos 30 crianças. Ele e o pai, Abdullah, costumavam liderar manifestações com o rosto descoberto -enquanto muitos sauditas preferiam cobrir a face. Três anos depois ele foi detido quando viajava com a família para o Bahrein por guardas da fronteira. "Não há dúvida de que as autoridades da Arábia Saudita estão prontas a fazer qualquer coisa para reprimir dissidências contra seus próprios cidadãos, inclusive recorrendo à pena de morte para homens que eram apenas garotos no momento de sua prisão", disse Lynn Maalouf, diretor de Pesquisa do Oriente Médio da Anistia Internacional.

Depois de preso, ele foi levado ao centro de detenção juvenil na cidade de al-Dammam. Ele foi mantido em confinamento solitário por um mês e sujeito a espancamentos e intimidação durante o interrogatório.

Os interrogadores prometeram libertá-lo se ele confessasse as acusações. Em maio de 2017, ele foi transferido para Al-Mabaheth, uma prisão para adultos, apesar de ter apenas 16 anos.

Ao longo da detenção, foi-lhe negado o acesso a um advogado até mesmo depois de sua primeira audiência, em agosto de 2018, no Tribunal Criminal Especializado, uma corte antiterrorista criada em 2008, que tem sido cada vez mais usada para casos envolvendo ativistas de direitos humanos e manifestantes.

As acusações contra ele incluem participação em protestar contra o governo, comparecer ao funeral de seu irmão Ali , se associar a uma "organização terrorista", jogar coquetéis molotov em uma delegacia de polícia e atirar contra as forças de segurança. O menino nega as acusações e, agora, aguarda a próxima audiência na corte.

Povoada sobretudo pela minoria xiita, a Província Oriental da Árabia Saudita teve ondas de protestos após a Primavera Árabe de 2011 que as autoridades reprimiram ao longo dos anos, inclusive com processos judiciais.

> Um crime, duas versões: as contradições da morte que gerou protestos no ES

Qureiris não é o primeiro caso de condenação por supostos crimes cometidos quando menor, porém ele foi considerado o prisioneiro mais jovem da Arábia Saudita, cujas leis de maioridade penal não são claras.

A Arábia Saudita é um dos países com maior taxa de execuções do mundo.

Ver comentários