Notícia

Rio Doce sobe e deixa famílias fora de casa em Linhares

Na manhã desta sexta-feira (09), o nível atingiu 4,55 metros e, até agora, oito famílias precisaram sair de casa, mas esse número deve aumentar nas próximas horas

Rio Doce em Linhares
Rio Doce em Linhares
Foto: Secom/Felipe Reis.

O nível do Rio Doce não para de subir em Linhares desde quinta-feira (08). A tendência, segundo o chefe da Defesa Civil Municipal, Antônio Carlos dos Santos, é a elevação continuar até este sábado (10). Na manhã desta sexta-feira (09), o nível atingiu 4,55 metros e, até agora, oito famílias precisaram sair de casa, mas esse número deve aumentar nas próximas horas.

"O rio começou a subir de ontem para hoje. Passei com a água no capô do carro no bairro Olaria. Hoje vamos retirar mais três ou quatro famílias de lá. Sete já estão no abrigo e uma na casa de parentes", afirma Santos.

Leia também

Segundo informações da Prefeitura de Linhares, a Secretaria Municipal de Assistência Social acolheu e presta auxílio a essas famílias no ginásio poliesportivo do bairro Araçá, com equipe formada por assistentes sociais, psicólogos e recreadores, além da alimentação.

ESTRADA

De acordo com o chefe da Defesa Civil, a situação provocou alagamento na estrada principal de acesso ao balneário de Povoação, rodovia ES-248. A orientação é para que frequentadores e turistas passem pela estrada alternativa.

A Prefeitura informa que a opção de acesso a Povoação se dá por meio da ES-358, rodovia que liga Linhares a Pontal do Ipiranga, no trevo de acesso a Cacimbas. “É uma medida de segurança e o acesso poderá ser feito pela estrada alternativa, conhecida como estrada de Cacimbas. O trecho deve aumentar em torno de 20 a 30 quilômetros o trajeto”, diz Santos.

Por conta da água que chegou à estrada de Povoação, os moradores de Brejo Grande também devem ficar atentos, orienta o chefe da Defesa Civil Municipal.

Vale lembrar que a cota de inundação na cidade é de 3,45 metros.

AJUDA

Em caso de emergência, o cidadão poderá ligar para os telefones 99983 5661 (Defesa Civil), 153 (Guarda Municipal) ou ainda para o 193 (Corpo de Bombeiros). Os militares também acompanham a evolução da cheia.

 

 


Ver comentários