Notícia

Tragédia em Linhares: fotos mostram interior da casa após incêndio

Os irmãos Joaquim Alves, de 4 anos e Kauã Butkowiski, de 6 anos, estavam no quarto no momento do incêndio, que aconteceu na madrugada do dia 21 de abril, em Linhares

Fotos obtidas nesta segunda-feira (9) pelo jornalista Bruno Dalvi mostram o quarto dos irmãos Kauã Butkowiski, de 6 anos, e Joaquim Alves, de 4, que morreram carbonizados na madrugada do dia 21 de abril, em Linhares.

De acordo com um amigo da família, o pastor George Alves estava sozinho na residência com as duas crianças. A suspeita inicial era de que a babá eletrônica teria causado o fogo.

Veja vídeo:

PASTOR É INDICIADO POR MAIS UM ESTUPRO

O pastor Georgeval Alves, acusado de estuprar e matar o filho Joaquim Alves, de 4 anos, e o enteado, Kauã Butkowiski, de 6 anos, em Linhares, foi indiciado por outro estupro na cidade. O caso é de 2015, e a vítima, uma mulher, só procurou a polícia para contar a história após a prisão do pastor George, como ele é conhecido.

As informações foram reveladas em reportagem exclusiva do Jornal Hoje, realizada pelos jornalistas Mário Bonella, Bruno Dalvi e Esther Radaelli, da TV Gazeta.

O inquérito desse caso de estupro foi finalizado pela polícia na última quarta-feira, dia 04 de julho, e enviado ao Ministério Público do Espírito Santo (MPES).

Além disso, o Jornal Hoje também teve acesso a imagens exclusivas do local do incêndio que matou o filho e o enteado do pastor. Elas mostram como o quarto dos meninos ficou destruído, em 23 de abril deste ano. Cenas do quarto em chamas, captadas por câmeras de segurança, também mostram parte da tragédia.

> TRAGÉDIA EM LINHARES | A cobertura completa

George está preso desde o dia 28 de abril. A mulher dele, a pastora Juliana Salles, mãe das crianças que morreram, também foi presa após análise do inquérito policial e de novas apurações feitas pelo MPES. A promotora Raquel Tannembaun entendeu que havia motivos para enquadrar a mãe como corresponsável pelas mortes das crianças, especialmente por omissão da parte dela.

PRISÃO DA PASTORA

Leia também

A promotora entendeu que Juliana tinha consciência dos riscos que as crianças corriam ao ficarem sozinhas com George. Juliana está presa desde o dia 19 de junho, quando uma operação da Polícia Militar de Minas Gerais juntamente com equipe do Grupo Especial de Combate a Organizações Criminosas (Gaeco) de Minas localizou a mãe das crianças em Teófilo Otoni.

Ela, que morava em Linhares, havia saído da cidade e estava na casa de um dos pastores da Igreja Batista Vida e Paz, da qual faz parte. Desde então, a pastora segue presa na penitenciária da cidade. O MPES já solicitou a transferência de Juliana para o Espírito Santo, mas isso ainda não aconteceu.

Ver comentários