Notícia

Pescador morre afogado após ficar preso à corda de âncora em rio do ES

Dioclécio Martins, de 44 anos, pescava no rio quando caiu do caiaque. Seu corpo foi encontrado com as pernas presas a uma corda com âncora no fundo do rio

SML de Linhares
SML de Linhares
Foto: Brunela Alves

Um pescador de 44 anos morreu afogado no Rio Cricaré, em Conceição da Barra, região Norte do Estado, na tarde desta terça-feira (11). Dioclécio Martins caiu do caiaque onde pescava e ficou com as pernas presas em uma corda com âncora que estava no fundo do rio.

Segundo a Polícia Militar, uma viatura foi acionada e os pescadores que estavam no local contaram que a vítima pescava em um caiaque, próximo a um píer, quando eles ouviram gritos de socorro. Mas, como píer era alto, as testemunhas não conseguiram identificar o local exato de onde vinham os gritos. Quando chegaram na beira do rio, apenas avistaram o caiaque descendo sozinho pela correnteza mar adentro, pois a maré corria muito em direção ao mar naquele momento.

Cerca de 15 minutos após a chegada dos policiais, algumas pessoas conseguiram avistar o homem em um local de difícil acesso. Ele ficou com as pernas presas em uma corda, que estava no fundo do rio em uma ancoragem.

Ainda de acordo com a PM, o Corpo de Bombeiros foi acionado para tentar resgatar a vítima, porém a equipe não foi ao local alegando falta de efetivo. Com a supervisão dos militares, os pescadores que estavam na região retiraram Dioclécio da água, na tentativa de reanimá-lo, mas não conseguiram devido ao tempo que ele ficou submerso.

A Polícia Civil informou que a perícia esteve no local e levou o corpo de Dioclécio para o Serviço Médico Legal (SML) de Linhares.

O OUTRO LADO

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do Corpo de Bombeiros negou que não atendeu a ocorrência por falta de efetivo.

“A Polícia Militar entrou em contato com a 1ª Companhia Independente (São Mateus) e informou um afogamento em Conceição da Barra. Ao entrar em contato com o responsável pela ocorrência, na PM, foi informado que o afogado estava próximo à margem e amarrado pelos pés, sendo que havia necessidade da presença do Corpo de Bombeiros no local. Após cerca de cinco minutos, o Coordenador de Defesa Civil municipal entrou em contato com o Cobom e informou que não havia necessidade de deslocar uma equipe ao local, solicitando assim autorização para realizar a retirada do corpo, que foi concedida e o resgate foi realizado, com ajuda das pessoas que estavam na região, evitando assim um deslocamento longo de guarnição, sem a devida necessidade”, diz a nota.