Comanda o tráfico

Terror na Piedade: conheça a família do crime que impõe medo no morro

Os Ferreira Dias mandam e desmandam na região. Mas, nos últimos meses, com a briga por território, inocentes morrem quando bandidos de fora tentam derrubar os traficantes locais

Publicado em 13/06/2018 às 14h07

Uma guerra antiga e com as mesmas vítimas: a população. Há anos, moradores da região dos morros da Piedade, da Fonte Grande e do Moscoso sofrem com a criminalidade. O tráfico de drogas está no centro da questão, seja pela disputa entre gangues rivais ou pelo terror imposto por quem comanda o tráfico. No caso da Piedade, a família Ferreira Dias é quem manda e desmanda. Mas, nos últimos meses, com a briga por território acentuada, inocentes morrem quando bandidos de fora tentam derrubar os traficantes locais.

Tanto que na madrugada do dia 25 de março deste ano, os irmãos Ruan e Damião foram assassinados com mais de 20 tiros cada um. Em maio, outro morador foi executado em uma ação parecida. Criminosos chegaram atirando pelas ruas e atingiram o lavador de carros Lucas Verli, de 19 anos, que jantava na varanda de uma casa. O medo se espalha porque os tiros atingem residências de quem não tem nada a ver com os bandidos.

>JUNHO | A vida e a morte do braço direito do "dono do morro"

Mas, no último domingo, os bandidos atingiram um dos alvos: Walace de Jesus Santana, 26 anos, um dos braços direitos do chefe do tráfico na Piedade que, segundo fonte ouvida pelo Gazeta Online, é João Paulo Ferreira Dias, de 23 anos.

João, por sua vez, tem uma longa ficha criminal e é considerado foragido da Justiça. Entre os crimes pelos quais João responde estão tráfico de drogas e roubo majorado, quando houve ameaça ou violência com o uso de arma. Para este último, há um mandado de prisão expedido no dia 24 de maio deste ano e com decisão proferida no dia 29 do mesmo mês, com a seguinte observação: "diligencie-se com atenção e celeridade". Em outro processo, João Paulo teve o nome cadastrado em 09 de junho deste ano no Banco Nacional de Mandados de Prisão.

> MAIO | Morador é executado a tiros no Morro da Piedade

Segundo informações da Secretaria de Estado da Justiça, João Paulo Ferreira Dias deu entrada no sistema prisional em 12 de dezembro de 2013 e evadiu em 26 de outubro de 2016. Desde então, é considerado foragido. João tinha autorização da Justiça para sair que, geralmente é dada para trabalhar, mas também para saída temporária. De acordo com fonte do Gazeta Online, ele deixou a prisão em uma dessas saídas.

CHEGADA DA FAMÍLIA

Os Ferreira Dias saíram fugidos de um morro de Cariacica, de acordo com um morador da Piedade, para a Fonte Grande. "O pessoal da Fonte Grande botou eles para fora de lá. Aí eles vieram morar na Piedade. Mas a gente nem imaginava como era essa família. A família toda mexe com droga. A mãe rouba, já foi presa. Dos irmãos, têm uns presos. Um deles diz que, quando sair, vai matar todo mundo lá de cima. E o João deram saidinha e ele não voltou. Desde 2012 que nós estamos sofrendo", relata.

"ELES SÃO UM TERROR"

O homem que conversou com a equipe do Gazeta Online afirma que esses traficantes já quebraram e apedrejaram casas na região. "Eles são um terror. Estão vendendo a casa de alguns, não deixam os moradores que tiveram que sair vender as suas casas. Polícia entra lá dentro, e eles correm. Eles moram nas grutas. De dia, você não vê nada. De noite, aquilo ali é um inferno. Fonte Grande e Piedade".

> JUNHO | "Decisão de sair do morro é de livre arbítrio", diz comandante da PM

O morador diz também que a mãe "acoita os crimes". "Ela diz que tem que matar mesmo. Eles acham que a gente tem que compartilhar com eles".

MORTES DE INOCENTES

Quando os irmãos Ruan e Damião foram brutalmente assassinados no Morro da Piedade, uma fonte contou ao Gazeta Online, em março, que os bandidos vieram de fora para pegar os chefes do tráfico. Na época, chegou a citar o nome do Walace, do João e de uma terceira pessoa. Falou: "O pessoal vem de fora, não consegue pegar essas disgramas, aí pega a população. O patrão é o João, ele que é o cabeça. O cabeça era o Lipe (Felipe), mas agora está preso. Como ele ficou preso, ficou o irmão dele, o João Ferreira Dias. Os caras vieram para matar João, Walace e o outro. Eles botam morador para correr, para descer, deixar as suas casas".

Matéria da prisão de João Paulo em 2013
Matéria da prisão de João Paulo em 2013 Foto: Arquivo/A GAZETA

JOÃO JÁ FOI PRESO NA ILHA DO BOI

No dia 19 de julho de 2013, o jornal A Gazeta noticiou uma prisão de João Paulo. A matéria dizia: "Policiais do Grupo de Operações Táticas (GOT) estragaram o 'dia de lazer' de um dos chefões do tráfico de drogas do Morro da Piedade. João Paulo Ferreira Dias, 18 anos, estava curtindo a praia da Ilha Do Boi, em Vitória, quando foi preso pela polícia. Ele estava junto com a irmã e um amigo, um adolescente de 16 anos".

MARÇO | Morro da Piedade: medo, famílias expulsas e mulheres agredidas

A publicação continua: "De acordo com a polícia, João Paulo e o irmão, Felipe Ferreira Dias, comandam o tráfico na região da Piedade e são conhecidos como os 'Irmãos Ferreira Dias'. Contra eles existe um mandado de prisão em aberto por homicídio. João Paulo teria cometido o crime quando ainda era menor".

À época, o delegado Eduardo Khaddour informou que os irmãos eram extremamente violentos e temidos pelos moradores do bairro. “Os relatos que temos é de que eles comandam o tráfico com muita violência e são bem frios, punindo os inimigos e expulsando moradores das casas”, disse na ocasião.

SITUAÇÃO ATUAL

João Paulo segue foragido da Justiça. Ele tem três mandados de prisão aguardando cumprimento. 

ENVOLVIMENTO DA MÃE E DA IRMÃ

Ainda em 2013, no dia 10 agosto, A Gazeta publicava: "Foi presa mais uma parte de uma família que, segundo a polícia, se autointitula 'Primeiro Comando' do tráfico de drogas nos morros da Piedade e Moscoso, em Vitória. A marca do grupo é o terror aplicado contra os moradores da comunidade, informou a polícia. Durante operação do Grupo de Operações Táticas (GOT) da Polícia Civil, que aconteceu ontem, foram presas sete pessoas suspeitas de fazerem parte da quadrilha. Entre elas, estão a faxineira Marly Ferreira Bispo, conhecida como Marly do Pó, e a filha dela, a estoquista Elisângela Ferreira Dias".

> MARÇO | Família do tráfico domina Piedade e impõe terror, diz morador expulso

Também na matéria de 2013, segundo o delegado Eduardo Khaddour, coordenador do GOT, Marly tem cinco filhos, todos envolvidos com o tráfico de drogas. "Três deles já estavam presos. Agora, com a prisão de Marly e de Elisângela, só resta Felipe Ferreira Dias, 19, que está foragido. Além de tráfico, pesam sobre os filhos de Marly acusações de homicídios. Líder da quadrilha já tem outros três filhos na cadeia".

SITUAÇÃO ATUAL

A Sejus confirmou que Marly, 44 anos, esteve presa no período entre 9 de agosto de 2013 a 4 de agosto de 2015. Informou ainda que Marly Ferreira Bispo deu novamente entrada no sistema prisional em 3 de fevereiro de 2017 e foi liberada, por decisão da Justiça, em 8 de julho de 2017.

No site do Tribunal de Justiça consta processo com o envolvimento das duas com tráfico de drogas e também está o nome de outros membros da família no mesmo caso, como outro filho de Marly, o Marcos Vinicius Ferreira Dias, 27 anos. Todos os três têm mandado de prisão em aberto.

Há ainda mais um filho de Marly envolvido com o tráfico de drogas. De acordo informações da Sejus, Paulo Ricardo Ferreira Dias, 29 anos, está na Penitenciária Semiaberta de Vila Velha. Atualmente, Elisângela tem 26 anos.

FELIPE, O LIPE

A ficha da família voltou a ser notícia no jornal quando Felipe Ferreira Dias, o então chefe do tráfico, foi preso, como mostra a publicação de 15 de agosto de 2013. "Está na cadeia o último integrante de uma família acusada pela polícia de chefiar o tráfico de drogas nos morros da Piedade e do Moscoso, em Vitória. Felipe Ferreira Dias, 21 anos, foi preso na manhã de ontem, por policiais do Grupo Operacional Tático (GOT), em Ibiraçu, no Norte do Estado. Ele estava escondido em uma casa e dormia quando a polícia chegou. A prisão ocorreu às 6 horas. Ele ainda tentou fugir pelos fundos da residência, mas foi capturado. Na delegacia, Felipe chorou e se recusou a dar detalhes dos negócios da família.

JUNHO | Moradores aproveitam presença da polícia para se mudar da Piedade

Na ocasião, o delegado Eduardo Khaddour, coordenador do GOT, destacou a influência que Felipe tem dentro da família e com o bando que chefiava. “Apesar da pouca idade, ele se mostra uma pessoa bastante articulada com a questão do tráfico da região. Ele fez uma divisão das drogas – quem deveria vender o quê e aonde – e fazia uma cobrança constante sobre as contas do tráfico”, revelou. Em 2013, havia contra Felipe quatro mandados de prisão por tráfico e homicídios. "Ele é suspeito de envolvimento em mortes de três prostitutas, em Vitória", finalizava a matéria.

SITUAÇÃO ATUAL

De acordo com a Sejus, Felipe Ferreira Dias está na Penitenciária de Segurança Máxima II, em Viana.

SECRETARIA DE SEGURANÇA

Pela manhã, o Gazeta Online tentou contato com a Secretaria de Estado da Segurança Pública para falar sobre a família que impõe o terror na Piedade, mas, até o momento, não teve retorno. 

SOFRIMENTO ANTIGO

Em pesquisa nos arquivos de A GAZETA, encontramos reportagens que relatam tiroteios entre gangues rivais, moradores vítimas de balas perdidas, operações da polícia, assassinatos no morro e diversos crimes nos últimos 24 anos. De 1994 para cá, o terror continua. Nesta quarta-feira (13), assim como nos últimos dias e até meses, mais moradores deixaram a comunidade.

ATUALIZAÇÃO

Menos de um mês após a publicação desta reportagem, o traficante João Ferreira Dias foi preso em Viana, no Espírito Santo.