Notícia

Suspeitos são mortos após troca de tiros na BR 101, em Guarapari

Na fuga, eles chegaram a balear um policial militar, que foi salvo pelo colete balístico

Viatura ficou com marcas dos tiros
Viatura ficou com marcas dos tiros
Foto: Divulgação / PMES

Uma troca de tiros entre policiais militares e suspeitos em um carro terminou com três mortos, no início da madrugada deste sábado (14), no trevo da BR 101 em Guarapari. Thiago Maia dos Santos, 21, Pedro Henrique Santos da Silva, 17 e José Almir Simões Ferreira, 21, não resistiram aos ferimentos de bala e morreram no local.

Segundo informações da Polícia Militar, o trio, que estava a bordo de um Siena prata, teria sido identificado como grupo suspeito de atuar no tráfico de drogas, ainda no município de Alfredo Chaves, na região Centro-Sul do Estado.

Os militares a bordo de uma viatura teriam tentado realizar a abordagem, momento que os suspeitos iniciaram fuga pelas ruas da cidade, em direção á BR 101.

Assim que a PM se aproximou, teria sido recebida a tiros, sendo que os disparos atingiram o vidro dianteiro do veículo, chegando a acertar o colete balístico de um dos policiais, na altura do abdômen.

Os militares revidaram e uma troca de tiros aconteceu até o trevo de Guarapari, onde um bloqueio foi montado. Mesmo assim, o Siena não parou e acabou batendo contra uma viatura.

Com o impacto, um dos pneus dianteiros furou e o carro parou poucos metros depois. Os três indivíduos teriam saído atirando e acabaram sendo atingidos pelos PMs.

Segundo os militares, ambulâncias foram acionadas, mas quando chegaram ao local os três já estavam mortos. Dentro do carro dos suspeitos foram encontrados sete papelotes de cocaína, 28 pinos da mesma droga, 68 pedras de crack, um revólver calibre 38, outro calibre 32, uma réplica de arma e R$ 2 096,00 em dinheiro.

A perícia da Polícia Civil esteve no local e o caso será investigado pela Delegacia de Crimes Contra a Vida (DCCV) de Guarapari. Os corpos foram encaminhados para o Departamento Médico Legal (DML), em Vitória.

FAMÍLIA PEDE APURAÇÃO DETALHADA DO CASO

Após reconhecer o corpo do filho e realizar a liberação no Departamento Especializado de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o pai de Thiago Maia dos Santos, 21 anos, um dos mortos na troca de tiros pediu uma investigação detalhada do caso.

O motorista de 42 anos, que preferiu não se identificar, contou que estava dormindo, quando foi surpreendido por vizinhos, que o chamaram na porta de casa para contar o que havia acontecido com o filho. “Eram por volta de 0h, quando chegaram os jovens na minha porta. A versão que me passaram é que eles tinham trocado tiros com a polícia. Fui para o local e vi aquela situação”, afirmou.

De acordo com ele, o corpo do filho estava do lado de fora do carro, ao lado da porta do carona. O motorista disse ter dúvidas da versão da polícia.

“Em uma perseguição com troca de tiros o corpo deles estava do lado de fora do carro. Não me passaram nenhuma informação, foram ignorantes conosco. Usaram de descaso e ignorância. Foi um tapa na minha face. Eu esperava um apoio e informação. Eu não tive acesso a nada do meu filho”, ressaltou.

O motorista pediu que o caso seja investigado de forma detalhada, para que os fatos sejam esclarecidos.

“Foram três mortos. Disseram que um PM foi atingido e a gente não viu isso lá. Eles não falaram nada direito. Queremos uma apuração rigorosa desse caso. Meu filho nunca havia sido preso”, concluiu.

Ver comentários