Notícia

Aluna é ferida com golpes de canivete em saída de escola em Guaçuí

Segundo a PM, os suspeitos das agressões seriam pais de uma outra adolescente, com qual a vítima havia brigado anteriorment

Delegacia de Guaçuí
Delegacia de Guaçuí
Foto: Divulgação | PMG

Uma adolescente de 14 anos ficou ferida após uma discussão na saída de uma escola no Centro de Guaçuí, na Região do Caparaó, na tarde desta terça-feira (14). Ela contou à polícia que foi agredida e cortada por um homem e uma mulher, que seriam pais de uma aluna com quem ela discutiu no dia anterior.

Segundo a Polícia Militar, o caso aconteceu na Avenida Espírito Santo. Ela contou que estava na porta do colégio, esperando alguns amigos, quando um casal se aproximou. O homem a agrediu com tapas no rosto e a mulher deu vários golpes de canivete em sua coxa e orelha esquerda. A aluna ferida foi encaminhada ao pronto-socorro do município.

A vítima contou ainda que, há alguns dias ,houve uma briga entre ela e uma aluna, e que esse seria o motivo por ter sido agredida pelos pais da menina.

Leia também

Segundo a Polícia Civil, foi aberto inquérito para apurar o caso e os suspeitos ainda não foram ouvidos. A vítima foi encaminhada para exame de corpo delito no Serviço Médico Legal de Cachoeiro de Itapemirim.

ACOMPANHAMENTO

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação disse que o problema entre as alunas já havia sido constatado e tomadas providências, inclusive, com o caso sendo levado a conhecimento das autoridades policiais. Neste período, os pais também foram comunicados sobre o que estava acontecendo no ambiente escolar.

No dia, quando as coordenadoras souberam da agressão, chamaram a Polícia Militar. No entanto, não conseguiram evitar agressões, que segundo a secretaria, foram mútuas e ocorreram de forma rápida.

A Secretaria de Educação está tratando o fato como um caso que deve ser acompanhado junto com o Conselho Tutelar e a Assistência Social, para que todas as providências sejam tomadas. Diante disso, a Secretaria Municipal de Assistência Social, por meio do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), também está cuidando do caso, dando apoio à adolescente ferida em todas as providências cabíveis, inclusive, levando-a para realizar o exame de corpo de delito.

Ver comentários