Notícia

Costureira morre após ser atropelada duas vezes em Vila Velha

Dalila Ayres Pereira, de 66 anos, tentou desviar de uma bicicleta quando acabou atropelada por uma moto e logo em seguida por um carro

Dalila Ayres Pereira morreu após ser atropelada em Vila Velha
Dalila Ayres Pereira morreu após ser atropelada em Vila Velha
Foto: Reprodução | TV Gazeta

Uma costureira de 66 anos morreu após ser atropelada duas vezes na avenida Gonçalves Ledo, no bairro Ilha dos Ayres, em Vila Velha, no fim da tarde de segunda-feira (27). Segundo testemunhas, ela tentou desviar de uma bicicleta quando acabou atropelada por uma moto e logo em seguida por um carro.

O acidente aconteceu no momento em que a idosa voltava do trabalho e parou para comprar pão, no fim da tarde. Era o primeiro dia de trabalho depois das férias da costureira. Testemunhas contaram que Dalila Ayres Pereira, de 66 anos, andava pela ciclovia quando tentou desviar de uma bicicleta. Ela se aproximou da pista, foi atingida pela moto e caiu no asfalto.

Idosa foi atropelada ao sair de ciclovia
Idosa foi atropelada ao sair de ciclovia
Foto: Samy Ferreira/ TV Gazeta

A filha da idosa, Ana Paula Ayres Pereira, contou que o motociclista esbarrou na idosa e, para não atropelar, bateu num poste. “Um rapaz de moto passou e bateu nela. Pra não atropelar, ele bateu no poste. Ele levantou pra ajudar ela, mas veio um carro, passou por cima dela e o motorista fugiu sem prestar socorro”, lembrou.

> Homem morre atropelado por ônibus em Cariacica

A nora e vizinha de Dalila, Carmen Ferreira Pereira, contou que esperava a vítima voltar do trabalho, quando recebeu a notícia. “Eu escutei alguém falando que haviam atropelado uma mulher. Fiquei pensando quem era essa mulher...Todo mundo aqui gosta dela. Estou pensando que o serviço dela vai vir em peso para cá, porque 30 anos de serviço não são 30 dias”, disse Carmen.

Carmen Ferreira Pereira é nora da idosa atropelada
Carmen Ferreira Pereira é nora da idosa atropelada
Foto: Samy Ferreira/ TV Gazeta

A filha da vítima pede ajuda à população para encontrar o motorista. “Ele tem que pagar, tem que ter consciência que ele destruiu minha família toda. Eu quero justiça. Tem um monte de câmera onde ela foi atropelada. Se alguém viu a placa desse cara, o carro, qualquer coisa, tem que ligar, tem que avisar. Minha mãe é tudo na minha vida, meu chão, meu alicerce, minha vida”, desabafou, aos prantos.

Ver comentários