Notícia

Gerentes de supermercados são presos suspeitos de receptação no ES

Segundo a Polícia Civil, 500 pacotes de fraldas encontrados em filiais da rede fazem parte de uma carga roubada em Linhares, no Norte do Estado, no início deste mês

Fraldas apreendidas em supermercado no Centro de Vitória
Fraldas apreendidas em supermercado no Centro de Vitória
Foto: Divulgação

Dois gerentes de uma rede de supermercados foram presos em flagrante suspeitos de receptar 500 pacotes de fraldas. Segundo a Polícia Civil, a mercadoria faz parte de uma carga roubada em Linhares, no Norte do Estado, no início deste mês. Os pacotes de fraldas estavam em estabelecimentos da rede no Centro de Vitória, em Maruípe, e em Campo Grande, Cariacica.

A operação foi realizada pela Delegacia Especializada de Crimes Contra os Transportes de Cargas (DCCTC) na última sexta-feira (21). A Polícia Civil confirmou que haverá uma coletiva para falar sobre o caso às 14 horas desta segunda-feira (24). 

Durante a operação, foram apreendidos ainda um revólver e várias munições. Ainda de acordo com informações da Polícia Civil, o proprietário da rede de supermercados não foi encontrado pela equipe de investigação. 

“A CARGA TEM DOCUMENTAÇÃO”, DIZ ADVOGADO

A reportagem do Gazeta Online conversou com o advogado da rede Schowambach, Clóvis Araújo. De acordo com ele, os dois gerentes detidos fazem parte das lojas do Centro e de Maruípe, em Vitória, e foram soltos no mesmo dia da operação. Eles já estão trabalhando normalmente. Segundo Clóvis, todas as notas fiscais das mercadorias foram apresentadas à polícia.

“A mercadoria saiu legalmente da sede da rede em Campo Grande e distribuída para Vitória e surgiu essas informações, acontecendo as apreensões. Lamentavelmente estamos na era dos inquéritos espetáculos, onde tem que aparecer e divulgar todo mundo. No final das investigações, creio que a autoridade vai chegar à conclusão da legalidade (da mercadoria). A documentação é legal”, declarou.

Sobre a arma encontrada no supermercado, o advogado declarou que ninguém sabia do objeto, que foi encontrado no fundo de um cofre de documentos. “Foi uma surpresa para o gerente que foi detido. Pode ser uma arma que está lá desde a fundação do supermercado, há 30 anos. Ele não tinha conhecimento da arma, mas vamos verificar quem deixou, até porque o supermercado tem segurança particular”, justificou.

Ver comentários