Notícia

Presbítero é assassinado a tiro a caminho do trabalho em Vila Velha

Jonatas Severiano Lomeu, que trabalhava como pedreiro, foi morto a caminho do trabalho, em Cobi de Baixo

Jonatas Severiano Lomeu, de 26 anos, era integrante da igreja Assembleia de Deus
Jonatas Severiano Lomeu, de 26 anos, era integrante da igreja Assembleia de Deus
Foto: Reprodução/Facebook

Um presbítero da igreja Assembleia de Deus foi assassinado na manhã desta terça-feira (29) quando ia para o trabalho. O pedreiro Jonatas Severiano Lomeu, de 26 anos, foi vítima de um tiro no ombro que acabou atingindo o coração. O crime aconteceu às 6h30 no bairro Cobi de Baixo, em Vila Velha.

Jonatas era casado e tinha dois filhos, um menino 6 anos e uma menina de 5. O pedreiro havia acabado de conseguir um trabalho, na construção de uma piscina em Vila Velha. De acordo com familiares e amigos, era um jovem tranquilo, que cantava e participava de projetos sociais na igreja da comunidade onde morava, no bairro Aparecida, em Cariacica.

> MORTES EM JANEIRO: MEDO E EXECUÇÕES SEM HORA NEM LUGAR PARA ACONTECER

A Associação de Moradores do bairro Aparecida compartilhou nas redes sociais uma mensagem de luto pela morte do jovem.

“A todos que tiveram o privilégio de conviver com Jonatas, que sempre foi um grande amigo da comunidade nos ajudando em vários trabalhos, fica a lembrança de uma pessoa determinada, solidária e dedicada a família e ao trabalho”, diz a nota.

A esposa do presbítero, Claudia Karoline Rodrigues, 25 anos, contou à TV Gazeta que recebeu a notícia e não conseguiu acreditar que se tratava do marido. “Ele estava indo trabalhar e me chegou essa notícia. Ele vai trabalhar de bicicleta, não tinha problema com ninguém, era conhecido em todo lugar porque saía muito para pregar nas igrejas. Era um marido maravilhoso, uma pessoa muito querida”, desabafou. 

Claudia contou que a polícia não deu maiores informações à família. “Eu espero que tenha justiça. A polícia não soube me informar nada, só entraram em contato e falaram da morte. Não sei ao certo o que aconteceu, só quero que achem o culpado e façam justiça pelo meu marido”, afirmou.

A assessoria da Polícia Civil informou, em nota, que o caso foi atendido pelo plantão do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e que, até o momento, nenhum suspeito foi detido. O caso seguirá sob investigação. Ainda segundo a nota, outras informações ainda não seriam passadas para a imprensa para não atrapalhar as investigações.

Ver comentários