Notícia

Suspeitos de envolvimento em morte de idosa são detidos na Serra

O crime aconteceu na manhã da última segunda-feira (28), no bairro José de Anchieta, na Serra. Outros três ficaram feridos

Crime aconteceu em ponto de ônibus da Serra
Crime aconteceu em ponto de ônibus da Serra
Foto: Reprodução/TV Gazeta

Dois suspeitos de envolvimento no ataque em um ponto de ônibus — que resultou na morte da aposentada Dalva Ferreira Lobato, de 60 anos, e ainda deixou outras três pessoas feridas, foram detidos nesta terça-feira (29). O crime aconteceu na manhã da última segunda-feira (28), no bairro José de Anchieta, na Serra.

Os acusados estão sendo ouvidos no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Vitória.

O CRIME

O caso aconteceu em um ponto da BR 101, quando passageiros estavam embarcando e desembarcando do coletivo da linha 829 - Planalto Serrano x Terminal de Carapina. Dois homens em uma moto já chegaram ao local surpreendendo as vítimas. O carona desceu do veículo e abriu fogo no meio da rua.

Entre as testemunhas do crime e os sobreviventes, o relato é de que apenas um disparo foi ouvido. A informação, inclusive, foi confirmada pelo Departamento Especializado de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). De acordo com a polícia, a arma usada pelo atirador foi uma espécie de cartucheira. O calibre não foi revelado.

UMA BALA SÓ

O alvo dos criminosos seria um auxiliar de serviços gerais de 18 anos, que seguia para o trabalho. O jovem contou que chegava ao ponto de ônibus, quando viu o atirador descer da moto com a arma na mão. Ele correu e no meio da fuga, ouviu o tiro e sentiu que havia sido atingido. Depois, percebeu o sangue escorrer pela camisa. O rapaz foi ferido na cabeça.

Leia também

Desesperado, saiu correndo entre os carros e pediu socorro a um taxista que passava pela rodovia, sem saber que outras três pessoas também tinham sido feridas. Entre elas, a aposentada Dalva, atingida na cabeça e na clavícula. Ela estava em pé, no ponto, quando o disparo foi feito.

Além dela, uma ajudante de cozinha, de 37 anos, foi ferida no braço, quando estava na escada do coletivo da linha 829, preparando-se para desembarcar. A outra vítima é um homem de 44 anos, atingido nas costas, quando tentava subir no mesmo ônibus.

Todos os feridos, informa a polícia, foram vítimas dos estilhaços da mesma bala. Um único cartucho contém diversas micro bolas de chumbo, que, disparadas, podem seguir em diferentes direções.

A motivação do crime ainda não foi esclarecida pela polícia.

O SOCORRO

Dalva não teve tempo de ser socorrida. Ela morreu ainda no local. Já o homem ferido e a ajudante de cozinha foram levados pelo motorista do ônibus para a Unidade de Pronto Atendimento de Carapina e depois transferidos para o Hospital Jayme dos Santos Neves, também na Serra. 

Já o jovem de 18 anos, que seria o alvo dos atiradores, foi levado pelo taxista direto para o mesmo hospital onde estavam os outros feridos. Ele recebeu atendimento médico e foi liberado.

ENTREVISTA

Ainda meio atordoado do tiro que levou, o auxiliar de serviços gerais de 18 anos esteve no Departamento Médico Legal (DML) para passar por exames. Com a camisa suja de sangue e um curativo na cabeça, ele relatou o susto que passou e afirma que era o alvo dos criminosos.

Como foi atingido?

Eu estava caminhando em direção ao ponto de ônibus, quando os dois homens passaram por mim, de moto. Vi quando eles pararam e o carona já desceu com a arma na mão.

O que fez?

Comecei a correr. Só quis fugir. Enquanto estava correndo, ouvi o tiro e depois senti um choque na cabeça. Vi o sangue escorrendo na minha camisa. Fiquei desesperado, me enfiei nos meios do carros e pedi ajuda a um taxista que estava passando.

O que o motorista fez?

Ficou meio sem saber o que fazer. As pessoas disseram para ele não me socorrer. Mas, graças a Deus ele me socorreu.

Acredita que você era o alvo deles?

Era sim. Não foi um assalto. Eles pararam para me matar.

Imagina o motivo?

Não faço ideia. Não estava sendo ameaçado e não tenho problemas com ninguém. Não sei mesmo o porque disso.

Está com medo de voltarem?

Eu fico com receio sim. Não sei o que pode estar acontecendo.

Já foi baleado antes?

Já, no ano novo, virada de 2017/2018. Levei um tiro na mão, em um tiroteio no meu bairro. Estava no meio da rua, chegaram atirando e fui ferido.

Ver comentários