Notícia

Confusão entre alunos e PMs acaba em tiro dentro de escola em Linhares

Vídeos mostram o que aconteceu no pátio de um colégio estadual de Linhares nesta quarta-feira

Fachada da Escola Estadual Polivalente Luiz de Caldas Brito (também conhecida como Poli II) em Linhares
Fachada da Escola Estadual Polivalente Luiz de Caldas Brito (também conhecida como Poli II) em Linhares
Foto: Reprodução/TV Gazeta Norte

O que era para ser uma averiguação sobre uma denúncia de tráfico de drogas dentro da Escola Estadual Polivalente Luiz de Caldas Brito, no bairro Araçá, em Linhares, no Norte do Estado, terminou com um disparo de arma de fogo por um policial militar que se viu ameaçado por um adolescente de 15 anos (veja vídeo abaixo). A confusão aconteceu na noite dessa quarta-feira (27) por volta das 19h40.

A solicitação da presença da Polícia Militar teria sido feita pelo próprio diretor do colégio, já que alunos estariam brigando e tornando o local inseguro para o corpo docente, os colaboradores e os demais alunos. Os dois policiais, um cabo e um soldado, deram início às buscas e revistas pessoais, o que gerou a confusão.

Enquanto o soldado Sousa conduzia um adolescente por posse de droga, outro jovem começou a xingar os policiais. O cabo Bonadiman, então, anunciou a revista pessoal, que não foi acatada. Quando o rapaz foi imobilizado pelo policial, um grupo de alunos partiu para cima do cabo e teria tentado pegar a arma, segundo consta no registro da PM.

Nesse momento, o adolescente conseguiu se desvencilhar do policial e o ameaçou com um estilete em mãos. Como resposta à possível agressão física, o cabo Bonadiman reagiu disparando um tiro, que não atingiu o menino. Vídeos feitos pelos próprios alunos registraram a confusão e o instante do disparo.

Em seguida, os dois agentes esperaram pelo reforço policial e pela liberação dos alunos. Ao todo, sete jovens, dentre eles apenas um maior de idade, foram encaminhados à Delegacia de Polícia Judiciária de Linhares (DPJ). Com eles foram apreendidos celulares, uma faca de cozinha, um canivete e uma bucha de maconha.

De acordo com a PM, os pais dos adolescentes estiveram na Delegacia Regional da cidade para acompanhar o desfecho da ocorrência e alegaram que esta não teria sido a primeira vez que eles se envolviam nesse tipo de confusão.

Em nota, a Polícia Civil informou que o jovem de 15 anos que ameaçou o policial responderá por ato infracional análogo ao crime de tentativa de homicídio e que a adolescente de 18 anos assinou um Termo Circunstanciado por desacato e foi liberada. Os demais cinco jovens assinaram um Boletim de Ocorrência Circunstanciado por desacato e foram reintegrados à família.

INVESTIGAÇÃO

Segundo o capitão Borba, a Polícia Militar irá avaliar o comportamento do cabo Bonadiman. “Nesse tipo de ocorrência temos vários protocolos a serem seguidos. O caso passará por uma apuração administrativa e, no mínimo, por uma sindicância pra avaliar a necessidade de abertura de um Inquérito Policial Militar (IPM) e ver em que tipo de circunstância se deu a ação do policial”, explicou.

Em entrevista à reportagem, o capitão Borba explicou que a Polícia Militar recebeu denúncias de tráfico de drogas na escola, mas que ela não é a única. “A gente tem recebido denúncias frequentes de tráfico de drogas naquela região, incluindo dentro da escola. A escola é uma escola complicada, mas não é exclusiva, ela não é o problema. O que nós temos de problemático ali é que ela recebe alunos de vários bairros, bairros esses que muitas vezes possuem alguns grupos que são rivais. Ela é vista como ponto crítico por esse aspecto”, pontua.

O capitão ainda reforçou que o inquérito policial vai apurar a conduta dos militares nesta ação e se houve ou não a necessidade do disparo de arma de fogo na unidade. “As circunstâncias em que a polícia atuou naquele momento serão investigados. Se houve legalidade, proporcionalidade e se o disparo foi necessário, somente o inquérito policial poderá responder”.

O QUE DIZ A SEDU

A Secretaria de Estado da Educação (Sedu) informou, por meio de nota, que lamenta o ocorrido e explica que não teve registro de nenhuma ocorrência semelhante na unidade de ensino anteriormente. A Sedu esclarece ainda que desenvolve ações de prevenção às drogas e ao bullying e que, quando é registrado algum aluno com comportamento que fuja às normas escolares, a direção faz contato com a família e faz um acompanhamento. A direção informa que planeja, junto à equipe da Patrulha Escolar, realizar ações na unidade de ensino.

 

 

Ver comentários