Notícia

Jovem que ameaçou realizar massacre em escola de Cariacica é apreendido

O rapaz de 17 anos foi levado ao Iases, onde segue detido. A polícia afirma que ele tem histórico de automutilação e depressão, além de que o ataque em Suzano, SP, pode ter influenciado as ameaças

Menor foi apreendido e está no Iases
Menor foi apreendido e está no Iases
Foto: Gabriel Lordêllo/Arquivo

O adolescente de 17 anos que ameaçou realizar um massacre em um colégio particular em Jardim América, Cariacica, no dia 1° deste mês foi apreendido na tarde desta quarta-feira (17). Segundo o delegado Brenno Andrade, responsável pela Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCCO), o jovem tem histórico de automutilação e tratamento contra a depressão. O massacre que ocorreu em Suzano, São Paulo, pode ter influenciado as ameaças.

> Autor de ameaça de ataque à escola no ES pode responder por terrorismo

Brenno Andrade explicou que o menor foi intimado e prestou depoimento ainda no início do mês depois que o diretor do Colégio Passionista, que fica em Jardim América, registrou um boletim de ocorrência contra as ameaças e, na situação, o jovem demonstrou frieza e ironia. Depois disso, a policia soube que ele estaria se vangloriando por ser investigado por terrorismo.

"Aprofundamos a investigação para verificar se havia fundamento ou não nas ameaças e observamos que esse menor já tinha histórico de automutilação, depressão e corroborado ao fato de que, após ele sair da delegacia, tomamos conhecimento de que ele estava se vangloriando de ser investigado por terrorismo. Achamos por bem pedir essa medida ao Poder Judiciário, que foi cumprida na tarde de ontem (17)", esclareceu o delegado.

O rapaz foi detido na tarde desta quarta-feira (17), depois de um mandado judicial e foi apreendido na casa em que mora, também em Jardim América. No local também foi realizada apreensão de um smartphone e um computador, que foram encaminhados para análise da perícia da Polícia Civil.

JOVEM ESTUDA EM OUTRO LUGAR

A polícia estranhou ainda o fato de que o jovem não estuda no colégio que ameaçou invadir e teria alegado que foi uma brincadeira de 1º de abril. A polícia acredita que ele tenha escolhido o local por conhecer alguns alunos.

"Ele escolheu a escola porque conhecia alunos, mas ele estuda em outra escola, o que causou até certa estranheza. A gente percebeu, quando ele foi ouvido, que ele demonstrou ser uma pessoa fria, até alheia ao que estava acontecendo, ao ser interrogado ele até chegou a ser irônico, possuía um histórico de depressão e parecia não entender a gravidade do fato que ele estava conhecendo. Na outra escola funcionários disseram que ele é um jovem recluso", acrescentou.

CASO DE SUZANO FOI GATILHO

O massacre que ocorreu em uma escola de Suzano, em São Paulo, teria servido de gatilho para o menor realizar as ameças. De forma inicial, o delegado afirmou que nas redes sociais dele foram encontradas postagens ligadas ao caso.

"Vimos de forma preliminar que havia postagens fazendo referência ao ataque de Suzano e, juntando tudo isso, nós entendemos que era possível, sim, que eventualmente ele pudesse ter essa ideia de cometer o ataque. Em uma postagem, por exemplo, de um dos atiradores de Suzano e logo embaixo a hashtag "onde é a sua escola", entre outras postagens ainda devem ser divulgadas", contou.

MÃE ESTÁ ABALADA

A mãe do menino, segundo a polícia, está muito abalada e já sabia da situação do filho. Ela informou que o rapaz fez tratamento psicológico até o final do ano passado. Depois de detido, o jovem foi encaminhado ao Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santo (Iases), onde segue apreendido.

OUTROS CASOS SOB INVESTIGAÇÃO

Outros dois casos de ameaças também seguem sob investigação policial. Um caso na Serra, em que um estudante de 14 anos que planejava praticar um massacre na escola estadual Belmiro Teixeira Pimenta, no bairro Eurico Salles, na Serra, foi ouvido e agora a polícia investiga se ele tinha reais intenções da ação e também se agiu sozinho ou não.

E um caso em viana que também segue com investigações. O delegado Brenno Andrade afirma que há outras situações que não serão divulgadas para não atrapalhar as investigações.

FUNCIONÁRIO DENUNCIA AMEAÇAS 

 Depois do medo de sofrer um ataque e da denúncia feita à Delegacia Delegacia de Repreensão de Crimes Cibernéticos (DRCC), um funcionário do colégio Passionista, em Cariacica foi ameaçado de morte por uma pessoa ligada ao adolescente que estaria planejando o atentado.

De acordo com o funcionário que preferiu não se identificar, a ameaça foi feita no dia 4 de abril.

“A pessoa entrou na escola depois de mentir para o segurança da escola, ela disse que iria até a secretaria, mas na verdade essa pessoa veio até mim e mandou parar com o processo, foi neste momento que me ameaçou de morte”, disse.

Um boletim de ocorrência foi registrado pelo funcionário na DRCC. “Registrei o boletim lá porque eles já estão com o caso. Só fico triste por saber que a humanidade chegou a este ponto”.

Ver comentários