Notícia

"Deus, me perdoa. Vou morrer", disse jovem morto em feira gastronômica

O jovem Herick Costa Nunes, 21 anos, que foi assassinado após discutir com um homem durante uma feira gastronômica em Vila Velha na noite desta sexta-feira (7)

"Deus, me perdoa! Me perdoa, Deus… Vou morrer! Cadê o meu pai?". O presbítero Alex Sandro Coutinho Nunes, 49 anos, disse que essas foram as últimas palavras ditas pelo filho dele, o jovem Herick Costa Nunes, 21 anos, que foi assassinado após discutir com um homem durante uma feira gastronômica, em Vila Velha, na noite desta sexta-feira (7).

Herick foi assassinado a tiros na Rua Minas Gerais, em Ponta da Fruta, por volta das 22h. O suspeito do crime Ivanildo Santos da Cruz, 39 anos, foi perseguido e agredido por pessoas que estavam no local. Por causa dos ferimentos, ele foi encaminhado para o Hospital São Lucas, em Vitória.

> Homem é morto em estacionamento após confusão em boate de Cariacica

Segundo familiares, Herick participava de uma feira gastronômica e artesanal acompanhado da namorada, um irmão dele e a cunhada. O pai dele, que trabalha como construtor civil, foi informado por um dos filhos que Herick e Ivanildo iniciaram uma discussão porque o suspeito teria mexido com a namorada do jovem.

"A gente nunca confirma o que os nosso olhos não viram. Posso relatar informações que me deram. Segundo o irmão que estava com ele, o Herick estava lanchando e certa pessoa começou a dar ousadia com namorada dele. Ele tirou ela para outro lado e o homem foi insistente. Como ele insistiu, Herick foi perguntar o que estava acontecendo. Aí esse rapaz tirou a arma e atirou no meu filho", disse.

Data: 08/06/2019 - ES - Familiares de Herick Costa Nunes vão ao DML liberar o corpo do jovem assassinado a tiros na Ponta da Fruta, em Vila Velha
Data: 08/06/2019 - ES - Familiares de Herick Costa Nunes vão ao DML liberar o corpo do jovem assassinado a tiros na Ponta da Fruta, em Vila Velha
Foto: Vitor Jubini

Herick foi atingido com dois disparos. Na hora do crime, a feira estava lotada. O público presente começou a correr a se esconder por medo de ser atingido por algum disparo. Os familiares e amigos que estavam no local levaram a vítima para um hospital do município.

TENTATIVA DE FUGA

Ivanildo correu e tentou fugir em um veículo. Ao tentar manobrar, ele bateu em carros estacionados e acabou localizado por pessoas que flagraram o assassinato. Ele foi cercado, abordado e agredido por um grupo de pessoas que não foram identificadas pela Polícia Militar. Com ele, a PM encontrou 25 munições calibre 32.

> Homem que fingia ser delegado é detido em Guarapari

O suspeito foi encaminhado para o Hospital Antônio Bezerra de Farias. De lá, Ivanildo foi transferido para o Hospital São Lucas, em Vitória, onde permanece sob a escolta dos militares. A Polícia Civil informou que ele foi autuado em flagrante por homicídio. Assim que receber alta, ele será encaminhado para o Centro de Triagem de Viana.

VELÓRIO E SEPULTAMENTO

Familiares e amigos de Herick Costa Nunes informaram que o velório do jovem será realizado na Igreja Assembleia de Deus Pentecostal, localizada na rua Wolmar Médice, número 25, em Ponta da Fruta, Vila Velha. O sepultamento será realizado na manhã deste domingo (9), no Cemitério Municipal de Ponta da Fruta.

> Após ser baleado, menino de 7 anos pede orações para os pais

ENTREVISTA COM O PAI DA VÍTIMA

Aguardando atendimento para liberar o corpo do filho no Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, o presbítero Alex Sandro Coutinho Nunes, 49, disse que o filho era um "menino trabalhador, quieto e sossegado. Ele era uma pessoa do bem e morreu como mais uma vítima desse mundo violento".

08/06/2019 - ES - Vitória - Alex Sandro Coutinho Nunes, pai de Herick Costa Nunes, foi ao DML liberar o corpo do jovem assassinado a tiros na Ponta da Fruta, em Vila Velha
08/06/2019 - ES - Vitória - Alex Sandro Coutinho Nunes, pai de Herick Costa Nunes, foi ao DML liberar o corpo do jovem assassinado a tiros na Ponta da Fruta, em Vila Velha
Foto: Vitor Jubini

Alex Sandro atua há sete anos como presbítero na Igreja Assembleia de Deus - Ministério Nova Vida, em Ponta da Fruta. Além de realizar pregações, Alex Sandro atua fazendo evangelização nas ruas, em casas de recuperação para dependentes químicos e para famílias que vivem o drama de conviver com parentes viciados em drogas.

Como o senhor soube do assassinato do seu filho?

Eu tinha pregado em uma casa de recuperação. Cheguei em casa alegre, brincando com meus netinhos e, de repente, alguém me liga dizendo: "sabe da notícia?". Eu falei: "não". "Infelizmente, eu vou ser o portador: balearam seu filho".

Qual foi sua reação e da família?

Eu fui direto para o hospital onde meu filho estava. A mãe dele ficou sem saber o que fazer.

O que sabe sobre o assassinato?

A gente nunca confirma o que os nosso olhos não viram. Posso relatar informações que me deram. Segundo o irmão que estava com ele, o Herick estava lanchando e certa pessoa começou a dar ousadia com namorada dele. Ele tirou ela para outro lado e o homem foi insistente. Como ele insistiu, Herick foi perguntar o que estava acontecendo. Aí esse rapaz tirou a arma e atirou no meu filho.

O que a família espera que aconteça de agora em diante?

A gente já sabe o que aconteceu e a gente perdoa essa pessoa. O que a gente espera é que essa pessoa se recupere, que Deus possa transformá-la e que a sua família não sofra como a gente. Mesmo que ele tenha apertado o gatilho para matar o meu filho, desejo que a família dele não sofra a perda que nós sofremos. Não se paga o mal com mal. Se não tiver amor no coração, não adianta nada nessa vida.

Como foi o último momento que teve com o seu filho? Como ele era?

Meu filho era uma menino trabalhador, quieto e sossegado. Ele trabalhava em um pet shop, fazendo exposição de animais e outros serviços. Quando não estava viajando a trabalho, estava por aqui fazendo algo na construção civil. Meu filho era uma pessoa do bem e morreu como mais uma vítima desse mundo violento. O que me conforta é saber que antes de morrer ele disse: "me perdoa, Deus. Deus, me perdoa". A próxima pergunta que ele fez foi "cadê meu pai?".

Como o senhor soube disso?

Meu filho, que estava com ele na ambulância, contou.

O Herick também participava da mesma igreja que o senhor frequenta?

Meu filho foi criado dentro da igreja, mas estava parado. Ele ia nos visitar de vez em quando.

Qual era o tema da pregação?

Eu tinha acabado de pregar para as pessoas sobre a violência, falei que a gente não está preparado para uma briga. Na pregação, eu tinha dito que o pai não está preparado para perder filho, a mãe não está preparada para perder o filho. Eu não sabia que, naquele momento, eu estava falando para mim mesmo.

Nesse momento, o presbítero pede para deixar uma mensagem.

Olha, vocês nesse trabalho podem ser um instrumento para ajudar as pessoas, podem deixar uma mensagem de incentivo para as pessoas. Se você tem o seu pai e sua mãe, viva o máximo com eles. Aproveita o máximo porque o dia de amanhã nós não sabemos. Viva cada momento: abrace, se você vai dizer que ama, diga agora. Não podemos viver dia de Finados com flores chegando atrasadas, com palavras lançadas ao vento e em vão. Quando a gente tem algum sentimento, a gente tem que expor enquanto a pessoa está viva. Agora, minha luta para ajudar as pessoas vai ficar ainda mais forte. Eu vou lutar ainda mais pelas famílias que estão sofrendo com seus filhos correndo o risco de morrer por causa das drogas. Meu filho não tinha envolvimento com nada de errado, mas vou dedicar mais e mais o meu tempo e a minha vida para salvar outras vidas.

 

 

Ver comentários