Notícia

Irmão sonhou com caixão dias antes de jovem ser morta na Serra

Carla Cristina Rodrigues foi assassinada pelo namorado, na Serra. Crime aconteceu após uma briga motivada pelo ciúme excessivo do suspeito

Carolayne Adélia Rangel Rodrigues, 20 anos
Carolayne Adélia Rangel Rodrigues, 20 anos
Foto: Bernardo Coutinho

"Meu irmão sonhou com uma faca e ela morta no caixão”. A declaração é da estudante Carolayne Adélia Rangel Rodrigues, 20 anos, irmã da dona de casa Carla Cristina Rangel Rodrigues, 25 anos, assassinada pelo namorado, na madrugada desta quarta-feira, em são Marcos II, na Serra.

Carolayne contou que o irmão mais velho teve um pesadelo com Carla, dias antes dela ser morta. E revelou que a irmã tinha medo do namorado e que era constantemente ameaçada de morte por ele.

No Estado, até maio, foram contabilizados 12 feminicídios confirmados e outros seis em apuração.  Até junho, foram 15 validados e um em investigação. O primeiro semestre de 2018 tinha registrado 16 feminicídios.

"ELE ERA MUITO POSSESSIVO"

Como soube do crime?

Minha cunhada me ligou, por volta das 6 horas, pedindo para eu voltar pra casa. Mas, não disse o que havia acontecido. Quando cheguei, minha irmã já veio correndo, desesperada contando o que tinha acontecido. Entre em choque, não consegui reagir.

Quando foi a última vez que a viu?

No domingo. Estávamos na casa da nossa outra irmã e ele foi lá buscá-la. Disse que ia ficar lá só até terça que hoje (quarta) voltava para casa. Ela queria terminar o namoro.

Como era a relação dos dois?

Ele era meio estranho, não interagia com a nossa família. Ficava sempre no canto dele, sem conversar. Era muito possessivo também.

Quanto tempo os dois namoravam?

Acredito que há uns seis anos. Se conheceram na igreja, ele tocava bateria. Logo começaram a namorara. Mas, sempre foi uma relação tumultuada.

William Douglas Soares Rodrigues, 28, é acusado de matar a namorada, Carla Cristina
William Douglas Soares Rodrigues, 28, é acusado de matar a namorada, Carla Cristina
Foto: Reprodução

Ela disse se sofria ameaças?

Sim. No Dia das Mães deste ano, estávamos comemorando na casa da minha irmã, a família toda reunida e ela não apareceu. Estava na casa dele. Meu irmão ligou e ela atendeu dizendo que ela era uma mulher casada, que tinha marido e filho e que nós tínhamos que entender isso. Achamos estranho, a Carla nunca agiu assim. Mais tarde, ela apareceu em casa e chorando, contou que só disse aquilo a mando dele e que estava sendo ameaçada.

Qual era a ameaça?

Ele disse que a mataria, mataria o bebê e que depois iria se matar.

O que a família dizia a ela?

Para ela terminar, que não era uma boa relação. Eu, que sou mais nova, dava conselhos a ela. Mas, a Carla não ouviu. Ela também tinha muito medo dele.
Carolayne Rangel Rodrigues, irmã de Carla Cristina

Ela já chegou a ser agredida?

Acho que sim, ela aparecia com uns roxos de vez em quando. Ela também perdeu um bebê recentemente.

Acha que tem ligação?

Não sei. Ela estava grávida de quatro meses e acabou tendo um sangramento, não sei se provocado por agressão, tortura emocional ou se foi um aborto espontâneo mesmo.

Como era a Carla?

Uma pessoa maravilhosa, super companheira e cuidadosa. Cuidava de todos da família. Era cheia de vida, amava o filho. O bebê foi a realização de um sonho dela.

Com quem vai ficar o bebê agora?

Conosco, vamos cuidar dele. Ele vai crescer sabendo que foi muito amado pela mãe. Vai crescer rodeado de muito amor.

Ver comentários