Notícia

Advogada presa no ES atuava em comissão responsável pelo exame da OAB

Luezes Izoton foi presa na Operação Ponto Cego, do Nuroc. Ela é suspeita de coletar e transmitir bilhetes de lideranças criminosas detidas no Estado

Foto: Ricardo Medeiros

Presa na primeira fase da Operação Ponto Cego nesta terça-feira (20), a advogada Luezes Makerlle da Silva Rocha Izoton ocupava o cargo de secretária na Comissão de Exame de Ordem da Ordem dos Advogados do Brasil – seccional do Espírito Santo (OAB-ES). Além disso, a advogada ministrava cursos e palestras promovidos pela instituição.

A Comissão de Exame de Ordem da OAB é responsável por organizar e fiscalizar os exames de avaliação dos bacharéis em Direito que queiram ingressar no exercício da advocacia no âmbito da Seção.

A reportagem do Gazeta Online teve acesso a uma ata de reunião da OAB-ES, do dia 25 de fevereiro deste ano. O documento foi feito e assinado pela advogada que é citada como secretária da comissão. Na ata, Luezes aparece como uma das designadas para acompanhar a realização do exame da OAB que aconteceria em 17 de março em Vitória, e como a responsável por ministrar uma palestra sobre a avaliação em uma faculdade da Capital. 

Além disso, no site oficial da OAB-ES, o nome de Luezes aparece em publicações representando a Comissão de Exame em eventos e palestras entre os meses de fevereiro e maio de 2019.

Apesar dessas citações, na página específica da comissão, o campo destinado à secretária aparece em branco atualmente, mas até a tarde de desta terça-feira (20), depois da prisão da acusada, o nome de Luezes ainda constava.

REDES SOCIAIS

A atuação de Luezes na comissão também pode ser verificada na própria rede social da advogada. Em uma postagem do último dia 25 de fevereiro, ela afirma que está “representando a Comissão de Exame de Ordem e acolhendo aqueles que em breve estarão ao nosso lado”.

Em seu perfil no Instagram, a advogada também se apresenta como coach, palestrante e apresentadora de um programa sobre Direito em uma TV. Luezes também divulgava cursos e palestras que ela ministrava em eventos organizados pela OAB e outras instituições.

>Líder de facção no Espírito Santo teve 55 advogados em 14 meses

O QUE DIZ A OAB-ES

Procurada, a OAB-ES informou, por meio de nota, que Luezes foi afastada das funções que ocupava em Comissões Temáticas da entidade nesta quarta-feira (21). A decisão partiu da Coordenação-Geral das Comissões.

Essa matéria foi escrita por um participante do Curso de Residência em Jornalismo da Rede Gazeta
Essa matéria foi escrita por um participante do Curso de Residência em Jornalismo da Rede Gazeta
Foto: Divulgação

Outra advogada detida foi Gabriella Ramos Acker, que, além da atuação na área do Direito, ocupava um cargo comissionado na Câmara Municipal de Vila Velha. O presidente da Câmara de Vila Velha, Ivan Carlini, informou que foi surpreendido com as informações. "É uma pessoa simples, nunca soubemos de nada que a desabonasse. Será exonerada do cargo e, se for comprovado que ela é inocente, poderá ser recontratada posteriormente", disse.

>OAB: Não é função de advogado levar bilhetes para familiares ou amigos

OPERAÇÃO

As duas advogadas foram presas na manhã desta terça-feira (20) na fase 1 da Operação Ponto Cego, realizada pelo Núcleo de Repressão às Organizações Criminosas (Nuroc). Elas são suspeitas de coletar e transmitir bilhetes de lideranças criminosas detidas no sistema prisional capixaba.

Segundo as investigações da Polícia Civil, os bilhetes eram enviados para os comparsas que estavam fora da prisão para a execução de diversas tarefas criminosas, como o pagamento de armas de fogo, coação de testemunhas em processos criminais, compra e venda de entorpecentes, e até simulação de estado civil para mulheres fazerem trabalho de troca de informações.

Ver comentários