Notícia

Homem tenta avançar com carro em protesto, agride jovem e é detido no ES

Motorista foi levado para a delegacia, onde foi ouvido e liberado. Ele vai responder criminalmente por desobediência e exposição ao perigo

Um motorista de 36 anos que passava próximo à Escola Estadual Maria de Novaes Pinheiro, localizada no bairro Vila Bethânia, em Viana, durante a manhã desta sexta-feira (16), tentou romper a barreira de uma manifestação estudantil forçando o carro contra os adolescentes presentes no protesto. Os alunos se manifestavam pedindo por reformas na unidade de ensino. Com a atitude do motorista, alguns estudantes foram atingidos, mas não apresentaram lesões.

De acordo com a Polícia Militar, os jovens estavam obstruindo o trânsito durante o ato. Os militares chegaram a intervir para evitar maiores consequências, mas o condutor continuou forçando o veículo contra os manifestantes. Além de lançar o carro sobre eles, o homem também teria agredido alguns dos adolescentes. Diante da violência, os policiais deram voz de prisão ao motorista, que foi encaminhado à 4ª Delegacia Regional do município.

Segundo a Polícia Civil, o homem assinou um Termo Circunstanciado por desobediência e exposição ao perigo e deverá responder em liberdade.

> Perto de se casar, jornalista angolano morre atropelado em Vitória

A MANIFESTAÇÃO

Acionada pela reportagem, a Secretaria do Estado de Educação (Sedu) informou, por meio da Superintendente de Educação, Carolina dos Santos, que a escola em questão recebeu recursos, ainda em janeiro, para realização de uma reforma geral. "Ocorre que havia mais 42 escolas estaduais que também precisavam realizar a obra, sendo que a nossa não era a primeira em ordem de urgência. A Sedu veio ao local em fevereiro e combinou o início da reforma, mas, alguns imprevistos atrasaram o calendário, como uma troca de diretor e as fortes chuvas de maio. No caso da Maria de Novaes Pinheiro a obra seria iniciada pelo telhado, mantendo os alunos em sala de aula, então precisávamos de toda cautela possível", explicou.

A autoridade ainda informou que a manifestação dos alunos se deu no contexto da promessa de obras, e que transcorreu de forma pacífica, com reivindicações necessárias. "Mas já recebemos o material e a obra terá início já na próxima segunda-feira, pelo telhado, que é a parte mais complexa. A previsão de término é de sete meses, já que envolve a reforma de 15 salas de aula, um auditório, sala de multimídia, sala dos professores, quadra esportiva, entre outros ambientes. Soubemos do caso do motorista que tentou agredir estudantes, mas a diretora da escola havia se precavido e chamado a Polícia para garantir a segurança e então o homem foi contido e levado à Delegacia", narrou.

> O que querem os estudantes e professores que voltaram às ruas?

Ver comentários