Notícia

Justiça converte em preventiva prisão de mãe que matou bebê no ES

A suspeita responde por homicídio qualificado por motivo fútil e por recurso que torne impossível a defesa do ofendido

Foto: Fernando Madeira

Uma mulher que matou o filho de aproximadamente seis meses em Brejetuba, região Serrana do Espírito Santo, no dia 7 deste mês, tevena prisão em flagrante convertida em prisão provisória pela Justiça, o que significa que deverá permanecer presa para garantir a continuidade do processo. A suspeita responde por homicídio qualificado por motivo fútil e por recurso que torne impossível a defesa do ofendido.

> Mãe é presa por crime de tortura contra filho de 9 meses no RJ

De acordo com a decisão da magistrada Raquel de Almeida Valinho, em audiência de Custódia realizada na última sexta-feira (09), a soltura da Ré poderia causar situação de insegurança social, "haja vista a real possibilidade de reiteração delitiva, além do que está presente a periculosidade concreta de sua conduta, bem como, visando garantir a instrução processual e a aplicação da Lei Penal", decidiu. 

No termo da audiência, além da conversão da prisão, a juíza determinou que a suspeita seja encaminhada para o Hospital Estadual de Atenção Clínica (Heac) para atendimento e avaliação psiquiátrica, já que a dona de casa relatou sofrer com depressão e fazer uso de medicação controlada.

> Corpo de criança morta por bala perdida em Guarapari continua no DML

ENTENDA O CASO

Uma mulher de 39 anos matou o próprio bebê, de aproximadamente seis meses, com uma facada, no dia 7 de agosto. Populares acionaram a Polícia Militar por volta das 11h40 informando que uma dona de casa havia matado a criança, em casa, na localidade de Santa Rita, a 12 quilômetros da sede.

O marido da mulher estava trabalhando em uma plantação no momento do crime. Segundo populares, ela teria problemas psicológicos.

Em depoimento, já na Delegacia Regional de Venda Nova do Imigrante, a mãe do bebê confirmou que matou o filho e apresentou laudos médicos que atestam o diagnóstico de depressão pós-parto.

Ela foi autuada em flagrante por homicídio qualificado e será encaminhada para o Presídio Feminino de Cariacica, onde passará por audiência de custódia.

O corpo do bebê será encaminhado para o Serviço Médico Legal (SML) de Cachoeiro de Itapemirim para ser identificado e para ser feito o exame cadavérico, que irá apontar a causa da morte.

 

 

Ver comentários