Notícia

"O almoço está pronto?", perguntou jovem após matar a ex na Serra

Após a ação, o jovem foi para a casa onde vivia com a atual namorada e, com frieza, contou o crime que havia acabado de cometer

"O almoço está pronto?". Demonstrando frieza e nenhum arrependimento, essa foi uma das primeiras frases ditas por um jovem de 18 anos após matar a ex-namorada, uma adolescente de 15 anos. O crime aconteceu em Santo Antônio, na Serra, em setembro de 2018. Já o acusado, foi apreendido pela polícia na última quarta-feira (7) em São Patrício, mesmo município, durante uma operação da Polícia Civil, que marca os "13 anos da Lei Maria da Penha". 

O acusado não pode ser identificado porque cometeu o crime quando ainda era menor de idade, aos 17 anos. Por isso, ele tem a identidade resguardada pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). 

> A vida de Maria antes da Lei: "Só tive paz quando ele morreu"

De acordo coma delegada Raffaella Almeida, titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM), a adolescente Raniely Soares dos Santos, 15, era ex-namorada do jovem. Ela teve um desentendimento com a atual namorada do acusado em meados de 2018 e as duas trocaram ofensas e ameaças na época. 

Delegada Raffaella Almeida, titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM)
Delegada Raffaella Almeida, titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM)
Foto: Elis Carvalho

"As duas tinham uma rixa e o acusado tomou as dores da atual namorada da época. Ele atraiu a ex para para uma região de matagal, afirmando que eles ficariam juntos, no dia 14 de setembro. Pensando que reataria a relação, a vítima foi ao encontro dele. Mas no local ela foi surpreendida pelo acusado, que deu um golpe estilo mata-leão em Raniely, fazendo com que ela desmaiasse. Depois, usou pedras para dar vários golpes na cabeça dela até a morte", contou a delegada. 

FRIEZA E CRUELDADE

Após a ação, o jovem ainda jogou entulhos em cima do corpo da adolescente para ocultar o cadáver. Depois, foi para a casa onde vivia com a atual namorada e, com frieza, contou o crime que havia acabado de cometer. Ainda sujo de sangue, ele demonstrou que a principal preocupação no momento era a hora em que o almoço estaria pronto. 

> "Combater violência contra mulheres negras é desafio", diz promotora

"Ele demonstrou imensa frieza. Chegou em casa sujo de sangue, enquanto a atual fazia o almoço, e com naturalidade falou: 'Você não sabe o que eu acabei de fazer: matei a Raniely'. A atual namorada da época ficou muito assustada, e o jovem completou: 'O almoço está pronto?'.

SUJO DE SANGUE

A moça já sofria violência doméstica e tinha medo dele. Ela chegou a perguntar se o jovem almoçaria sujo de sangue, mas ele não se importou e respondeu: "Depois eu tomo banho, estou com fome". E fez a refeição normalmente ainda com a sangue da vítima no corpo", conta.

Quatro dias após o assassinato, o acusado retornou ao local do crime com um suposto primo e jogou o corpo da vítima na Lagoa Falqueto, próximo ao local do crime. Logo depois, o corpo foi localizado por populares.

"Estamos investigando a participação desse familiar e, com mais elementos contundentes, os envolvidos devem responder também pela ocultação de cadáver", explicou. 

PRESO NO ANIVERSÁRIO DA LEI MARIA DA PENHA

O inquérito sobre o caso foi concluído há cerca de um mês. No dia em que se completa os 13 anos da Lei Maria da Penha, a DHPM realizou uma operação para localizar o jovem. Ele foi apreendido na casa onde vivia atualmente, em São Patrício, Região de Jacaraípe, na Serra, e confessou o crime informalmente aos policiais.  

> Mecânico matou mulher na Serra por causa de jogo de notebook

"Como ele tinha 17 anos na época do crime, ele responde como menor pelo ato infracional ao crime sobre feminicídio. Ele foi internado e passará por medidas socioeducativas para ser educado a ter respeito com as mulheres. Pois o perfil dele é de uma pessoa fria, que não dá qualquer valor para a vida de um ser humano", afirmou a delegada. 

Ver comentários