Notícia

Preso por matar pedreiro diz que teve filha estuprada por ele na Serra

De acordo com o acusado, Mário César Gadiol, o crime teria ocorrido há cerca de quatro anos quando a mulher do pedreiro Aloísio da Silva Bandeira, uma dona de casa de 51 anos, era a babá da filha dele

Mário César Gadiol confessou que cometeu o crime porque sua filha foi estuprada pelo pedreiro
Mário César Gadiol confessou que cometeu o crime porque sua filha foi estuprada pelo pedreiro
Foto: Reprodução/TV Gazeta

A Polícia Civil prendeu na madrugada desta quinta-feira (08) homem acusado de matar o pedreiro Aloísio da Silva Bandeira, de 43 anos. Segundo informações da TV Gazeta, à polícia, o entregador Mário César Gadiol, 30 anos, confessou que cometeu o crime porque sua filha foi estuprada pelo pedreiro. O assassinato aconteceu na Rua Canário, na manhã da última terça-feira (06), no bairro Novo Horizonte, na Serra. Mário foi preso no bairro Itanguá, em Cariacica.

De acordo com Mário César, o crime teria ocorrido há cerca de quatro anos quando a mulher de Aloísio, uma dona de casa de 51 anos, era a babá da filha dele. Atualmente, a menina que teria sofrido o abuso, tem 12 anos de idade. Os detalhes da prisão serão divulgados na tarde desta quinta-feira (08) por meio do Departamento Especializado em Investigações Criminais (DEIC).

A filha do pedreiro, a Luana dos Santos Bandeira, 23 anos, foi até a delegacia para prestar depoimento. No dia do crime ela chegou a dizer que não acreditava que o pai pudesse ter sido morto durante um assalto. "Estou muito triste com esse desfecho, espero que seja mentira. Não sei o que dizer neste momento", disse, chorando, na porta do prédio do Departamento.

O chefe do Departamento de Investigações Criminais (DEIC) representou pela prisão temporária do suspeito Mário Cesar Gadiol, 30 anos, pelo crime de homicídio e foi concedido pela Justiça no início da noite desta quinta-feira (8). Ele será encaminhado na sexta-feira (9) para o Centro de Triagem de Viana.

Com informações de Diony Silva, da TV Gazeta

Aloísio da Silva Bandeira, de 43 anos, foi assassinado a caminho do trabalho
Aloísio da Silva Bandeira, de 43 anos, foi assassinado a caminho do trabalho
Foto: Isaac Ribeiro

POLÍCIA

A suspeita inicial era de que o crime tivesse sido um latrocínio, roubo seguido de morte. Mas a polícia não descartava outras linhas de investigação. 

"NÃO ACREDITO EM ASSALTO", DIZIA FILHA

A filha do pedreiro Aloísio da Silva Bandeira, de 43 anos, não acreditava que o pai tivesse sido morto por causa de um assalto em Novo Horizonte, na Serra. Após chegar ao local do crime, na manhã da última terça-feira (06), a estudante Luana dos Santos Bandeira, 23 anos, conversou com a imprensa.

"Não sei o que pode ter acontecido, mas não acredito em assalto para roubarem dois celulares simples: um sem chip e outro que mal ele conseguia falar. Ele ia reagir por quê?".

Luana dos Santos Bandeira, 23 anos, filha do pedreiro morto na Serra
Luana dos Santos Bandeira, 23 anos, filha do pedreiro morto na Serra
Foto: Isaac Ribeiro