Notícia

Eleitos como novidade priorizam obras menores

Promessas feitas na campanha ainda não foram executadas

Victor Coelho, em Cachoeiro, e Sérgio Meneguelli, em Colatina, apontaram dificuldades financeiras
Victor Coelho, em Cachoeiro, e Sérgio Meneguelli, em Colatina, apontaram dificuldades financeiras
Foto: Thiers Turini/Prefeitura de Cachoeiro/ Lucas Polese/Prefeitura de Colatina

Eleitos como novidades em cidades polos do Espírito Santo, como Colatina e Cachoeiro de Itapemirim, os prefeitos Sérgio Meneguelli (PMDB) e Victor Coelho (PSB) passaram longe das grandes realizações e obras durante o primeiro ano de seus mandatos. Pelo contrário, tanto o peemedebista quanto o socialista focaram nos pequenos feitos em 2017.

A constatação foi obtida conforme levantamento feito por A GAZETA das promessas deles quando ainda eram candidatos, contidas em seus planos de governos registrados no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-ES) e com o posterior cruzamento com as realizações apontadas por eles para a reportagem.

Alegando contar com poucos recursos e investimentos de fora da cidade, Meneguelli ainda não deu sequer início à construção das escolas que promete na página 53 do documento que está no TRE. Cinco páginas depois é possível constatar que o então candidato prometeu viabilizar a construção da Terceira Ponte de Colatina, obra cotada como necessária para desafogar o intenso trânsito da cidade. A prefeitura, porém, ainda nem iniciou o diálogo com o governo federal, com quem firmaria parceria para a obra. Estes são apenas alguns exemplos de promessas feitas por Meneguelli, que ainda estão sem previsão de início.

Leia também

O prefeito destacou, porém, que realizou melhorias em escolas já existentes, construiu pequenas barragens e realizou o o maior feito neste primeiro ano de governo: a regularização fundiária em parte da cidade.

“Entregamos títulos de legitimação de posse a mais de 400 famílias. Estamos para entregar até março mais mil outorgas aos moradores, garantindo os imóveis e mais impostos à prefeitura, que passa a receber o IPTU”, disse Meneguelli, que é ex-vereador. Durante a eleição, o atual prefeito mesmo não sendo favorito, conseguiu desbancar concorrentes como o ex-secretário de Estado da Saúde, Tadeu Marino (PSB), que ficou em segundo lugar.

Sob a liderança do prefeito Victor Coelho (PSB) – que venceu as eleições de 2016 ao superar o candidato do deputado Theodorico Ferraço (DEM), Jathir Moreira (SDD) –, Cachoeiro teria concluído a construção de algumas moradias populares e realizado melhorias em unidades de saúde básica, mas promessas como a da página 9, onde diz que ele investirá na estrutura viária da cidade para escoamento da produção local ainda sai lentamente do papel registrado no TRE.

Apenas ruas do bairro Vila Rica e Nossa Senhora Aparecida tiveram obras deste tipo iniciadas. A administração alega que com o que arrecada não tem permitido atender todas as demandas.

Mas se no plano físico as coisas ainda parecem devagar, a prefeitura comemora um feito virtual. “Subimos 28 posições no ranking que o Tribunal de Contas do Estado (TCES) elabora a partir da auditoria dos portais das cidades capixabas. A nota que evoluiu de 47,3% para 85,5% mostra o nosso compromisso em colocar a população como participante da administração pública”, disse Victor.

SÃO MATEUS

Também eleito como surpresa, o prefeito de São Mateus Daniel da Açaí (PSDB) desbancou o candidato apoiado pela situação da época, o deputado estadual Freitas (PSB), e o seu principal concorrente na disputa, o ex-deputado estadual e radialista Carlinhos Lyrio (PSD). O prefeito eleito, porém, procurado desde a semana passada pela reportagem para detalhar o que foi possível fazer em 2017 não retornou as ligações e mensagens direcionadas a ele e sua assessoria de imprensa. Daniel da Açaí aguarda decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre sua cassação.

Prefeitos sem dificuldade em votações nas Câmaras

Apesar de alegarem problemas financeiros que não possibilitaram que suas administrações em Colatina e Cachoeiro realizassem grandes obras em 2017, nas câmaras dos dois municípios a situação, porém, tem sido bem mais tranquila.

Carlos Alberto pode virar prefeito de São Mateus
Carlos Alberto pode virar prefeito de São Mateus
Foto: Patrik Camporez

O peemedebista Sérgio Meneguelli, prefeito da “Princesa do Norte”, mesmo não conseguindo eleger nenhum vereador de seu partido em 2016, não teve dificuldades no Legislativo municipal para que 76 dos 78 projetos que enviou para a Câmara fossem aprovados pelos vereadores, ou seja, 97% das matérias originadas no Executivo foram aprovadas.

Segundo alguns vereadores abordados pela reportagem, não existe no Legislativo da cidade uma divisão entre parlamentares de situação e de oposição. De acordo com eles, Meneguelli usufrui de certa facilidade no trato com os vereadores por já ter sido um deles no passado.

“Ele sabe como dialogar com os vereadores, ele tem esse entendimento”, declarou um dos entrevistados.

Na Câmara de Cachoeiro, por sua vez, até existe uma certa divisão entre os que estão no campo do governo e outros que se colocam como independentes (quatro dos 15 existentes), mas nada também que tenha impedido o prefeito Victor Coelho (PSB) de “nadar de costas” por lá.

Dos 54 projetos vindos do Executivo, 49 foram aprovados na Câmara de Cachoeiro. Ou seja, cerca de 90% das matérias do chefe do Executivo passaram.

Curioso é o que acontece em São Mateus, que vive situação de crise política. Enquanto o prefeito Daniel da Açaí (PSDB) aguarda decisão final do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre sua cassação, a Câmara está dividida em relação aqueles que são da base e da oposição. Dos 11 vereadores, cinco estão com Açaí, enquanto outros cinco apoiam o presidente da Câmara Carlos Alberto Gomes Alves (PSB), que poderá “herdar” a prefeitura.

Mesmo assim, Daniel não teve dificuldades para aprovar seus projetos. O tucano, inclusive, é o que teve menos matérias rejeitadas entre os três prefeitos: apenas uma.

Raio-X das promessas de campanha

Promessas e realizações

A GAZETA selecionou algumas promessas nos planos de governo dos prefeitos Sérgio Meneguelli e Victor Coelho, registrados no TRE-ES, e questionou as administrações sobre o que saiu do papel em 2017.

Cachoeiro

Promessa

Criar um modelo piloto de educação em tempo integral na esfera municipal, oferecendo no contraturno escolar atividades esportivas, culturais e recreativas.

Resposta prefeitura

Com a ampliação das ações no Centro Integrado de Atividades Educacionais Newton Braga, no bairro Ferroviários, a unidade passou a atender mais de 800 estudantes, em 2017. Eles participam, no contraturno escolar, de aulas de musicalização, balé, teatro, inglês, judô, karatê e leitura para alunos com dificuldade escolar. 

Promessa

Parceria com a iniciativa privada para reaparelhar e dar manutenção em quadras e praças.

Resposta prefeitura

As quadras de 12 bairros e distritos passaram por serviços de pintura e troca de alambrados. Foi criada a equipe de Parques e Jardins para revitalização de espaços públicos. Entre os locais já atendidos estão: Praça da Paz; canteiro na cabeceira da Ponte Municipal (entroncamento das ruas Dona Joana e Costa Pereira); Ginásio de Esportes do Nova Brasília; e avenida Beira-Rio, em frente ao Teatro Municipal.

Promessas

Investir na infraestrutura viária para escoamento da produção, mediante definição de sistema de drenagem e recuperação das vias.

Resposta da prefeitura

Estão em andamento drenagem e pavimentação na avenida Nossa Senhora da Consolação e ruas Josefa C. Fagundes, Walter Grechi, Walter Schan, Fernando Demori, Gerson Moura, Elídio Piassi, Professora Luzinete Paris, Arno Herkenhoff, Niltom F. Perim, Augusto Gonçalves e ruas projetadas Y e J, todas no bairro Vila Rica. Em andamento também obras de contenção, drenagem e pavimentação das ruas José Paulino Cypriano, Projetada, Maria Bravim Búfalo, av. Ubaldo Caetano, av. Magnólia S. Vaillant, av. José Felix Cheim, Projetada, Travessa 1 e Travessa 2, todas no bairro Nossa Senhora Aparecida.

Colatina

Promessas

Ampliar o investimento em infraestrutura de reservação e conservação de água, como barragens, visando ao aumento de disponibilidade hídrica.

Resposta da prefeitura

Foi possível realizar a construção de seis pequenas barragens que totalizaram investimentos de aproximadamente R$ 400 mil de recursos próprios e parceria de produtores rurais com a cessão de algum tipo de maquinário. As barragens estão localizadas em Córrego D’água, Júlio Torezani, Córrego Santana, São Pedro Frio, São João Pequeno, São Julião. Em parceria com o governo concluíram a barragem de Graça Aranha.

Promessas

Criar parques, lagos e praças, especialmente na região central de Colatina. Otimizar sustentavelmente a nova avenida Senador Moacir Dalla.

Resposta da prefeitura

Para a conclusão destas obras, a administração disse que é preciso parcerias com o governo estadual e federal. “Vivemos um 2017 de muitas dificuldades. Precisamos ter uma maior arrecadação para não comprometer o que já é necessário. Os projetos devem ser feitos primeiramente para que depois possamos buscar os recursos. Então essa fase continuará na pauta de 2018”, informou.

Promessas

Calçamento de ruas.

Resposta da prefeitura

Para 2018 foi concretizada uma parceria com o governo que irá disponibilizar, no início deste ano, R$ 6 milhões para pavimentação asfáltica e recuperação de importantes ruas e avenidas. Com recursos próprios, os serviços de drenagem e pavimentação do bairro São Miguel, um dos que mais necessitavam na cidade, teve início.

São Mateus à espera de decisão do TSE

O prefeito de São Mateus Daniel da Açaí (PSDB) só deverá ter sua situação definida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a partir de fevereiro. O tucano foi cassado, mas segue à frente do Executivo até que o tribunal se manifeste.

 

 

Daniel da Açaí foi cassado, mas segue na prefeitur
Daniel da Açaí foi cassado, mas segue na prefeitur
Foto: Reprodução / Facebook

Isso porque o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Estado (TRE-ES), desembargador Annibal de Rezende Lima, admitiu um recurso especial apresentado pela defesa de Açaí e concedeu efeito suspensivo de sua cassação, decidida também pelo tribunal local.

“Até que haja manifestação do ministro relator do recurso eleitoral, do TSE, ainda a ser distribuído após o término do recesso, o acórdão recorrido do TRE-ES fica com sua execução suspensa diante da concessão do efeito suspensivo”, disse em nota a assessoria de imprensa do TRE-ES.

ABUSO

 

 

Daniel da Açaí é acusado de abuso de poder econômico nas eleições de 2016, com o fornecimento de água de sua propriedade e de caixas d'água para a população durante a crise hídrica na cidade do norte do Estado. O município sofre com a salinização da água potável.

No âmbito de sua administração, o prefeito tem ganho a pecha de festeiro.

“Avalio seu governo um tanto irregular, ele é um prefeito que gosta de festa e o povo gosta de festa. Mas o povo também espera que em 2018 ele realize obras. No que eu puder ajudar na Câmara com o que entendermos for bom, vamos ajudar”, disse o presidente do Legislativo, Carlos Alberto Gomes Alves (PSB).

Daniel da Açaí foi procurado pela reportagem desde a semana passada para entrevista, mas não atendeu as ligações.

Ver comentários