Notícia

Assessor acusado de divulgar fake news no ES é exonerado do Governo

O desligamento de Evandro Figueiredo Boldrine está publicado na edição desta quinta-feira do Diário Oficial do Estado

Exoneração de Evandro Figueiredo saiu na edição desta quinta-feira do Diário Oficial
Exoneração de Evandro Figueiredo saiu na edição desta quinta-feira do Diário Oficial
Foto: Fernando Madeira

O servidor comissionado da Secretaria Estadual de Esportes apontado em investigação da Polícia Federal como o responsável por compartilhar uma fake news (notícia falsa) que colocava o governador Paulo Hartung (PMDB) em vantagem na disputa eleitoral foi exonerado. O desligamento de Evandro Figueiredo Boldrine está publicado na edição desta quinta-feira (15) do Diário Oficial do Estado.

O propósito do então funcionário com a disseminação da fake news era, segundo a PF, a continuidade do governo e, consequentemente, o benefício pessoal da manutenção do cargo.

Até a noite desta quarta-feira (14), o governo não havia sinalizado a exoneração de Evandro. A informação da superintendente estadual de Comunicação, Andréia Lopes, era a de que haveria "apuração rigorosa" sobre o fato atribuído ao servidor público.

A exoneração é assinada pelo secretário de Esportes, Roberto Carneiro. Na quarta, dia da operação da PF, Carneiro estava em Brasília cuidando da sua filiação partidária ao PRB. Com ele estava o deputado estadual Amaro Neto (ex-SDD).

Evandro Figueiredo, filiado ao PDT, é ligado a ambos. Antes de ser nomeado na secretaria, em 2017, foi lotado por dois meses no gabinete de Amaro, na Assembleia Legislativa.

Procurado pela reportagem, Evandro disse, na manhã desta quinta-feira (15), que não vai se manifestar.

QUEM É EVANDRO FIGUEIREDO

Embora nunca tenha ocupado cargo eletivo, Evandro Figueiredo é conhecido nos bastidores políticos da Grande Vitória e presença certa em eventos de natureza política, principalmente na Capital, onde faz sua militância atuando em agendas ligadas ao bairro Jardim Camburi.

A reportagem apurou que é ele o investigado pela Polícia Federal por publicar notícia falsa no site "capixabao.com".

De 2011 para cá, Evandro teve cargos comissionados em gabinetes de três deputados estaduais. Na ordem, de José Esmeraldo (PMDB), de Janete de Sá (PMN) e de Amaro Neto (PRB), também apresentador de TV.

Foi a ligação com Amaro que fez Evandro ganhar cargo na Secretaria de Esportes (Sesport). Após Amaro perder as eleições de 2016, Paulo Hartung (PMDB) convidou o deputado para assumir a pasta.

Amaro passou a bola para um aliado. Primeiro, para o vereador Max da Mata (PDT), um dos principais apoiadores de Amaro na campanha a prefeito de Vitória. Depois, para Roberto Carneiro, que foi vice na chapa do apresentador na disputa de 2016.

Evandro entrou na secretaria em maio de 2017, ainda quando a pasta era comandada por Max. Em postagens nas redes sociais, ele aparece em fotos ao lado de Carneiro e do próprio governador, o que foi levado em conta pela polícia. Pelo Whatsapp, costuma encaminhar conteúdo sobre projetos de Amaro e andanças do deputado pelo Estado em pré-campanha a senador.

A assessoria de Amaro informou que o deputado estava em Brasília para “compromissos políticos”, tratando da filiação ao PRB, e que ele “não sabe dos fatos”. A GAZETA também entrou em contato com Roberto Carneiro, mas o secretário limitou-se a dizer que estava em Brasília e que a secretária de Estado de Comunicação, Andréia Lopes, estava à disposição para atender a imprensa.

Durante todo o dia desta quarta a reportagem tentou contato com Evandro Figueiredo para que o assessor se manifestasse sobre a investigação. A esposa dele também foi acionada, mas não houve interesse em fazer manifestações sobre o caso.

Depoimento

Sem revelar o nome do servidor, o delegado da PF Vitor Moraes Soares afirmou que o investigado prestou depoimento e que, na oitiva, ele confirmou que era, sim, o responsável pela coluna e pela divulgação das informações que não deveriam ser publicadas.

O CASO

Sede da Sesport, em Vitória
Sede da Sesport, em Vitória
Foto: Secom

Um servidor comissionado da Secretaria Estadual de Esportes e Lazer do Espírito Santo (Sesport), que é ex-servidor, também comissionado, da Assembleia Legislativa do Estado, é apontado pela Polícia Federal como um dos responsáveis por divulgações de fake news (notícias falsas) com intuito de influenciar o voto do eleitor capixaba nas próximas eleições. 

De acordo com a Polícia Federal, o servidor esteve envolvido na divulgação de uma "pesquisa eleitoral", que teria sido feita pelo partido PSD, no site Capixabão.com. Apenas pesquisas registradas na Justiça Eleitoral podem ser publicadas. 

Fontes ligadas à investigação confirmaram ao jornal A GAZETA que o servidor apontado é o assessor especial da Sesport Evandro Figueiredo. O outro responsável é o dono do site Capixabão, Arnóbio Paganotto, o Nobinho. Antes de serem publicados no site, números da pesquisa fraudulenta circularam em grupos de WhatsApp.

O título do texto publicado pelo Capixabão era: "Paulo Hartung tem a preferência do eleitor da Grande Vitória". Além de falar em vantagem do atual governador nas intenções de voto, o site também mencionava que o deputado estadual Amaro Neto (ex-SD e agora no PRB) era favorito na corrida ao Senado.

"Essa pesquisa nunca existiu. Jamais foi realizada nenhuma pesquisa", afirmou o delegado Vitor Moraes Soares, da Polícia Federal.

Reprodução da fake news publicada no site Capixabão
Reprodução da fake news publicada no site Capixabão
Foto: Google

Ainda de acordo com o delegado, a investigação da PF não mostrou qualquer participação do governador na divulgação da notícia falsa. "Não há qualquer indício de que o governador tenha anuído ou mesmo determinado a disseminação da pesquisa eleitoral falsa", afirmou Soares.

O secretário estadual de Esportes, Roberto Carneiro (agora no PRB), é aliado de Hartung e de Amaro Neto. Amaro, Carneiro e o subsecretário administrativo de Esportes, Devanir Ferreira (PRB), estiveram na tarde desta quarta-feira em Brasília, onde Amaro e Carneiro confirmaram a filiação ao PRB

Evandro Figueiredo ocupa um cargo de livre nomeação e exoneração. O salário dele, como assessor especial da Sesport, é de R$ 5.689,13 brutos, de acordo com o Portal da Transparência.

A OPERAÇÃO VOTO LIVRE

A Secretaria Estadual de Esportes e Lazer do Espírito Santo (Sesport) foi alvo de uma operação da Polícia Federal deflagrada na manhã desta quarta-feira  com o intuito de combater a disseminação de fake news (notícias falsas) para influenciar eleitores capixabas. 

De acordo com a PF, a Operação Voto Livre cumpriu dois mandados de busca e apreensão, na sede da Sesport e na casa de um dos investigados. Além disso, dois mandados de intimação foram cumpridos. Doze policiais participaram da operação. Um computador e dois celulares foram apreendidos na Sesport.

De acordo com a PF, os investigados poderão responder pelos crimes de pesquisa eleitoral fraudulenta e falsidade ideológica. A pena pode chegar a detenção de seis meses a um ano ou multa.

Leia também

DENÚNCIA

A investigação começou após a PF receber uma denúncia de uma suposta falsa pesquisa eleitoral de intenção de votos compartilhada pelo WhatsApp.

Durante as investigações, segundo a PF, também foi verificada a divulgação de uma suposta falsa pesquisa eleitoral pelo site Capixabão.com.

OUTRO LADO

Evandro Figueiredo foi procurado. Pessoas próximas a ele também. Não houve interesse em fazer qualquer manifestação.

O Gazeta Online também entrou em contato com a Sesport, que não se posicionou sobre a ação da Polícia Federal. A superintendente estadual de Comunicação, Andréia Lopes, disse, em entrevista coletiva, que a divulgação de notícias desse tipo não contam com apoio ou orientação do governo e frisou que a atitude do servidor foi "pessoal". Ela não confirmou, no entanto, se o servidor será exonerado.

Por meio de nota, o site Capixabão se disse surpreso com a operação da PF: "Nos causa espanto o fato de nosso portal fazer parte de uma investigação de matérias tipo Fake News (notícias falsa), sendo que temos uma empresa com CNPJ registrado, endereço fixo e recolhemos nossos impostos. Procuramos sempre divulgar informações baseadas em fatos reais e não especulativos". 

Confira a nota, na íntegra:

Tendo em vista a deflagração da operação Voto Livre realizada pela Polícia Federal, o Portal Capixabão vem a público esclarecer que, tem mais de 12 anos de atuação no ramo do Jornalismo, com mais de um milhão de acessos por mês e sempre pautou a divulgação de suas notícias na boa prática jornalística, com a devida apuração dos fatos, realizada por jornalistas registrados em sua identidade de classe.

Há cerca de dois meses implantamos em nosso portal a coluna Bastidores da Política, com o objetivo de informar nossos leitores com tudo que acontece nos bastidores da política capixaba, de forma independente, imparcial e em tempo real.

Nos causa espanto o fato de nosso portal fazer parte de uma investigação de matérias tipo Fake News (notícias falsa), sendo que temos uma empresa com CNPJ registrado, endereço fixo e recolhemos nossos impostos. Procuramos sempre divulgar informações baseadas em fatos reais e não especulativos.

Reforçamos que acreditamos na carta magna de nosso país, onde está previsto no artigo 5º da Constituição Federal, a liberdade de expressão e a livre manifestação de pensamento. Nos colocamos à disposição de todos, para quaisquer esclarecimentos.

INÉDITO

A Voto Livre é a primeira operação da PF no combate às fake news e relacionada às eleições deste ano. A operação foi realizada em conjunto com a Polícia Civil do Estado.