Notícia

Defesa de Michel Temer afirma que prisão 'é uma barbaridade'

Polícia Federal cumpre um total de oito mandados de prisão preventiva e um de custódia temporária

Michel Temer
Michel Temer
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

O advogado Eduardo Carnelós, que defende Michel Temer, afirmou, na manhã desta quinta-feira (21), que a prisão do ex-presidente "é uma barbaridade". O ex-presidente foi preso nesta quinta-feira (21) pela Operação Lava Jato do Rio. A ordem de prisão é do juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio. O ex-ministro Moreira Franco (Minas e Energia) também foi preso.

A Polícia Federal cumpre um total de oito mandados de prisão preventiva e um de custódia temporária. O coronel reformado da Polícia Militar João Batista Lima Filho também é alvo de mandado de prisão.

A ação desta quinta é decorrente da Operação Radioatividade, investigação que apurou crimes de formação de cartel e prévio ajustamento de licitações, além do pagamento de propina a empregados da Eletronuclear. Após decisão do Supremo Tribunal Federal, o caso foi desmembrado e remetido à Justiça Federal do Rio de Janeiro.

> Força-tarefa da Lava Jato prende ex-presidente Michel Temer

O inquérito que mira Temer e seus aliados tem como base as delações do empresário José Antunes Sobrinho, executivo da Engevix.

De acordo com a Polícia Federal, Sobrinho fala em seu acordo sobre "pagamentos indevidos que somam R$ 1,1 milhão, em 2014, solicitados por João Baptista Lima Filho e pelo ministro Moreira Franco, com anuência do Excelentíssimo Senhor Presidente da República Michel Temer, no contexto do contrato da AF Consult Brasil com a Eletronuclear".

Os valores, segundo o delator, teriam sido depositados em conta corrente em nome da empresa PDA Projeto, que tem o coronel Lima, amigo de Temer, e sua esposa, Maria Rita Fratezi, por meio de um contrato simulado com a Alumi Publicidade.

A Justiça do Rio de Janeiro recebeu o inquérito solicitado pelo delegado Cleyber Malta ao denunciar Temer no âmbito do inquérito dos Portos. A investigação tinha como objeto apurar as afirmações de José Antunes Sobrinho.

Ver comentários