Notícia

Câmara afasta prefeito de Brejetuba do comando da cidade

Legislativo municipal montou uma comissão processante para apurar denúncias feitas contra o prefeito João Lourenço, acusado de atirar em ônibus durante greve dos caminhoneiros

O prefeito João Lourenço é acusado de atirar em ônibus que furou bloqueio na greve dos caminhoneiros
O prefeito João Lourenço é acusado de atirar em ônibus que furou bloqueio na greve dos caminhoneiros
Foto: Divulgação/Prefeitura de Brejetuba

O prefeito de Brejetuba, João do Carmo Dias (PV), está afastado de seu cargo por decisão da Câmara Municipal. Quem assume o comando da cidade a partir desta quinta-feira (23) é o vice, Samuel Quirino de Oliveira (PSDB), que poderá ficar à frente do Executivo por até 180 dias.

Este é o prazo que a Câmara terá para finalizar os trabalhos da comissão processante criada na Casa para investigar a conduta do prefeito. João Lourenço, como é conhecido, foi preso em maio do ano passado durante a greve dos caminhoneiros, após efetuar cinco disparos contra um ônibus que se recusou a parar em um ponto de bloqueio. 

A denúncia foi feita por um cidadão e aceita pela Câmara na última terça-feira (21). Ela ainda cita um prédio do prefeito que estaria descumprindo as normas do Plano Diretor Municipal (PDM). Segundo a chefia de gabinete do presidente da Câmara, Leandro Santana da Silva (PRB), o regimento da Casa, assim como a Lei Orgânica de Brejetuba, preveem que a partir do momento em que a denúncia é aceita pelos vereadores, o prefeito deve ser afastado do cargo. Por isso, a comunicação do afastamento ocorreu nesta quarta-feira (22).

O prefeito em exercício Samuel Quirino – conhecido como Hélio Quirino – afirma que no momento não pretende promover mudanças internas na prefeitura, incluindo o secretariado. "Pode ser que o prefeito retome o cargo dele. Qualquer coisa que fizermos agora será precipitado", justificou.

Hélio Quirino também disse que apesar de enxergar necessidades de melhorias, o momento deve ser de cautela, a fim de não prejudicar a cidade.

"Eu acho que estamos em um momento muito delicado, todo cuidado é pouco. Posso cometer um erro que prejudique o desenvolvimento da cidade. Visão diferente (em relação à de João do Carmo) a gente tem, vejo algumas coisas que necessitam ser melhoradas. Mas nosso município tem muito pouco recurso, receita muito pequena e aí só conseguimos fazer o básico", afirma.

João Duarte foi procurado pelo Gazeta Online, mas afirmou que estava em reunião e que não poderia atender. A reportagem aguarda o retorno do prefeito afastado.

Ver comentários