Notícia

Contratos investigados na Operação Rubi somam mais de R$ 150 milhões

A maior parte da quantia é referente a contratos firmados entre empresas e a Prefeitura de Presidente Kennedy. A prefeita do município, Amanda Quinta, está presa

Agente do Gaeco deixa casa da prefeita de Presidente Kennedy com material apreendido na Operação Rubi
Agente do Gaeco deixa casa da prefeita de Presidente Kennedy com material apreendido na Operação Rubi
Foto: Geizy Gomes

Os contratos de limpeza urbana e de transporte público investigados na Operação Rubi por suspeitas de superfaturamento somam mais de R$ 150 milhões, no período de 2013 a 2018. A maior parte do montante - R$ 105,7 milhões - é referente a contratos firmados entre quatro empresas investigadas e a Prefeitura de Presidente Kennedy. Também são alvo da operação os municípios de Marataízes, Piúma e Jaguaré.

As informações são do Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio da Subprocuradoria-Geral de Justiça Judicial e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), a partir das investigações preliminares e das primeiras análises de documentos e materiais apreendidos na operação, deflagrada na última quarta-feira (08).

> Presidente Kennedy e Marataízes: royalties não se traduzem em melhorias

O gasto de Presidente Kennedy com transporte coletivo no período analisado foi de R$ 89.762.504,83. O valor é superior ao que foi gasto por cidades maiores em extensão territorial e em número de habitantes, como Anchieta (R$ 49.125.310,81), Colatina (R$ 42.462.245,62) e Cachoeiro de Itapemirim (R$ 26.978.823,38).

De acordo com o Ministério Público, de 2014 para 2015, os gastos da prefeitura de Kennedy com transporte passaram R$ 9 milhões para R$ 22 milhões, e subiram para R$ 29 milhões em 2016. Já em 2017, início do segundo mandato da prefeita afastada, as despesas caíram para R$ 14 milhões. Ainda não há conclusões para explicar os aumentos e depois o decréscimo, de acordo com o MPES.

> Presidente Kennedy: uma cidade à mercê da política dos Quinta

Com o apoio do Tribunal de Contas do Estado (TCES), o MP identificou que entre os municípios que não possuem no território ensino superior público federal, estadual, municipal ou privado (com e sem fins lucrativos), Presidente Kennedy se destaca como o que tem maior gasto com transporte escolar entre 2013 e 2018, com mais de R$ 23 milhões.

Leia também

Domingos Martins e Marataízes, que aparecem na segunda e na terceira colocações, gastaram pouco mais de R$ 17 milhões. Conforme o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Kennedy tem 11.742 habitantes, enquanto Domingos Martins e Marataízes, 34.757 e 38.670 habitantes, respectivamente.

Em relação à limpeza urbana, os pagamentos somam R$ 60 milhões em Presidente Kennedy, Marataízes e Piúma, de 2015 a 2018. De acordo com relatório do TCES, dos 30 municípios com menos de 15 mil habitantes, Presidente Kennedy foi a cidade que mais gastou com limpeza pública e coleta de resíduos sólidos entre 2013 e 2017: R$ 16 milhões.

Presidente Kennedy gastou mais com coleta de resíduos sólidos que Colatina, que teve despesa de R$ 14 milhões. O município tem população de 123.598 habitantes e território quase três vezes maior. Presidente Kennedy gasta mais com limpeza urbana por habitante que Vitória, Serra, Vila Velha e Cariacica.

OPERAÇÃO RUBI

O objetivo da operação é desarticular uma organização criminosa constituída para lesar os cofres dos municípios de Presidente Kennedy, Marataízes, Jaguaré e Piúma por direcionamento licitatório em favor de empresas contratadas, pagamento de propinas a agentes públicos e superfaturamento de contratos de prestação de serviço público.

Amanda Quinta foi presa nesta quarta-feira
Amanda Quinta foi presa nesta quarta-feira
Foto: Reprodução/TV Gazeta

Além da prefeita de Presidente Kennedy, Amanda Quinta, estão presos José Augusto Rodrigues de Paiva, secretário de Desenvolvimento Econômico;

Leandro Rainha

, secretário de Assistência Social; Cristiano Graça Souto, motorista; Marcelo Marcondes Soares, empresário e Isaias Pacheco do Espírito Santo, contador da empresa de limpeza urbana. Existe um mandado de prisão em aberto contra outro empresário, que está na situação de foragido da Justiça desde a deflagração da operação.

Ver comentários