Notícia

Prisão em Kennedy: mochila com R$ 33 mil estava na casa de prefeita

Esquema de corrupção começou em 2014. Amanda Quinta, prefeita de Presidente Kennedy foi presa na Operação Rubi

Operação do Ministério Público do Estado em Presidente Kennedy
Operação do Ministério Público do Estado em Presidente Kennedy
Foto: Divulgação | MPES

A mochila com R$ 33 mil em dinheiro apreendida durante uma operação do Ministério Público do Espírito Santo, na noite desta quarta-feira (9), em Presidente Kennedy, estava na casa da prefeita da cidade, Amanda Quinta (PSDB), e foi levada pelo empresário Marcelo Marcondes, que é acusado de pagar propina para agentes públicos do município.

De acordo com investigações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), o dinheiro seria entregue ao companheiro da prefeita, José Augusto de Paiva. Ele é acusado de liderar uma organização criminosa que superfatura contratos e frauda licitações na cidade do Sul do Estado. Cinco pessoas foram presas no início da noite de quarta-feira, durante uma operação que investiga as possíveis fraudes da quadrilha.  

> Empresários do RJ vinham ao ES todo mês para pagar propina em Kennedy

O promotor de justiça Vitor Anhoque Cavalcanti, membro do Gaeco, afirmou que as investigações começaram no final de 2017. A primeira parte da operação foi focada em contratos das prefeituras de Presidente Kennedy e Marataízes com a empresa Limpeza Urbana LTDA. Os investigadores afirmam que os contratos superfaturados foram firmados a partir de 2014. 

> "Não houve crime", alega defesa da prefeita de Kennedy, Amanda Quinta

Além de companheiro, José Augusto de Paiva também é chefe de gabinete da prefeita Amanda Quinta e foi apontado como o organizador das fraudes. O Ministério Público afirma que o empresário Marcelo Marcondes, saía do Rio de Janeiro e vinham ao Espírito Santo uma vez por mês para fazer pagamentos a José Augusto de Paiva.

> Operação Rubi: Prefeitos de Kennedy e Marataízes envolvidos em esquema

A operação desta quarta-feira aconteceu no momento em que os investigadores monitoravam o terceiro encontro entre os membros do grupo. O primeiro monitoramento foi em novembro do ano passado e o segunda no último mês de abril.

CINCO PESSOAS PRESAS DURANTE A OPERAÇÃO

Os investigadores afirmam que foram cumpridos cinco mandatos de prisão temporária durante a operação e outras duas pessoas que já eram investigadas foram presas em flagrante. Os mandatos de prisão, com duração de cinco dias e prorrogáveis por mais cinco foram para as seguintes pessoas:

- Amanda Quinta Rangel (prefeita de Presidente Kennedy)

- José Augusto Paiva (companheiro da prefeita e secretário municipal de Desenvolvimento Econômico)

- Marcelo Marcondes (dono de empresa de limpeza, acusado de pagar propina)

- Cristiano Graça Souto (motorista dos empresários e apontado como sócio laranja da empresa de limpeza)

- Isaías Pacheco do Espírito Santo (contador da empresa de limpeza urbana). 

De acordo com o MPES, a prefeita Amanda Quinta não tinha mandado de prisão, mas, diante do flagrante do recebimento de propina, foi detida. A prefeita foi levada para o presídio feminino de Cachoeiro de Itapemirim. Já o companheiro dela e os outros três presos foram encaminhados para o presídio de Viana.

O prefeito de Marataízes, Robertino Batista da Silva, foi preso na manhã desta quinta-feira em flagrante em razão da apreensão de arma de fogo sem registro.