Notícia

Assessor diz ter feito post contra juíza da Serra "no calor do momento"

Em depoimento à polícia, John Silva Thomsen afirmou estar arrependido. Em entrevista, porém, disse que falou "algo que é notório" no meio político da Serra "só que ninguém tem coragem de dizer"

Jhon Thomsen, é ex-assessor de Nacib Haddad na Câmara da Serra
Jhon Thomsen, é ex-assessor de Nacib Haddad na Câmara da Serra
Foto: Reprodução/Facebook

O assessor parlamentar responsável por publicar informações contra uma juíza de Direito da Serra, no Facebook, conteúdo classificado pela Polícia Civil como difamatório, disse em depoimento à autoridade policial que se arrepende da postagem feita "no calor do momento".

Na publicação, John Silva Thomsen insinuou que a juíza Telmelita Guimarães Alves, da Vara da Fazenda Pública da Serra, estaria decidindo nos processos relacionados a investigações de supostas fraudes na área da saúde de maneira a beneficiar o grupo do prefeito Audifax Barcelos (Rede).

John é o criador da página Serra Noticiário, que tem 127 mil  seguidores. Foi onde fez a publicação contra a juíza. John prestou depoimento no último dia 4 de julho e se disse arrependido de ter lançado o conteúdo.

Grupos ligados ao prefeito Audifax Barcelos e à oposição estão em intensa disputa. As batalhas têm sido travadas nas esferas política e judicial. Jonh Thomsen era funcionário do gabinete de Nacib Haddad (PDT), vereador da oposição afastado.

"Gostaria de me retratar da postagem efetuada em função de estar arrependido. Não tive a intenção de denegrir a reputação da juíza ou de atribuir a ela qualquer conduta criminosa", declarou à policia.

Reprodução de publicação no Facebook com ataque à juíza Telmelita Guimarães. O conteúdo é alvo de investigação da Polícia Civil
Reprodução de publicação no Facebook com ataque à juíza Telmelita Guimarães. O conteúdo é alvo de investigação da Polícia Civil
Foto: Reprodução

Os policiais também perguntaram se o indiciado podia provar o que dissera sobre a conduta da magistrada. "As provas são subjetivas. Foi uma impressão pessoal decorrente das decisões judiciais proferidas", respondeu.

À reportagem, o assessor repetiu que está arrependido e que só fez a postagem porque a "denúncia"

Leia também

havia sido feita por vereadores. Apesar do arrependimento declarado, saiu-se com esta:

"No meio político da Serra, é notória a conduta dela quando se trata desses assuntos (de interesse do prefeito), só que ninguém tem coragem de dizer isso em público. Eu infelizmente tive essa coragem", disse, em entrevista.

"PAI DA FACÇÃO"

Em outra publicação que fez na rede social, o assessor compartilhou reportagem do Gazeta Online e referiu-se ao prefeito como "pai da facção". Ele, porém, não se arrepende do comentário por considerar que a expressão não é ofensiva.

"Chefe de facção, não tem nada de ofensivo nisso. Na República antiga de Roma os grupos políticos eram chamados de facções", declarou, antes de apresentar uma definição do dicionário para a palavra facção.

A investigação é voltada para o ataque à magistrada. Inclusive, ela enviou ofício à Polícia Civil manifestando interesse no início da apuração. A Prefeitura da Serra informou que entrou com ação contra o assessor parlamentar por calunia e difamação.

> Leia mais: História política da Serra é marcada por ataques e assassinatos

O indiciamento de Jhon foi pelos crimes de calúnia e difamação, com pena aumentada por ter sido contra funcionário público em exercício da função, e por utilizar meio que facilitou a propagação das ofensas. Ele responde em liberdade. 

O Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) foi procurado pela reportagem. Caso haja manifestação, este texto será atualizado.

Ver comentários