Notícia

Bolsonaro diz que instituto terá novos dados sobre desmatamento

Segundo ele, a expectativa é de que eles sejam anunciados ainda nesta quarta-feira (31)

Após críticas a Inpe, Bolsonaro diz que instituto terá novos dados sobre desmatamento
Após críticas a Inpe, Bolsonaro diz que instituto terá novos dados sobre desmatamento
Foto: Jose Cruz/Agência Brasil

Após fazer críticas públicas ao Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o presidente Jair Bolsonaro disse que serão divulgados novos dados sobre o desmatamento na Amazônia.

Segundo ele, a expectativa é de que eles sejam anunciados ainda nesta quarta-feira (31) e sejam mais completos que os dados preliminares de satélites divulgados na metade deste mês.

Com base em imagens de satélites, o órgão federal mostrou que que mais de 1.000 km² de floresta amazônica foram derrubados na primeira quinzena deste mês, aumento de 68% em relação a julho de 2018.

Leia também

As informações são contestadas pelo Palácio do Planalto, para o qual houve uma variação que não condiz com a realidade e que, nas palavras do presidente, atrapalha a imagem do Brasil no exterior.

"Tem um gato aí, alguma coisa aconteceu. E a desconfiança nossa é que os dados [divulgados] são alertas de desmatamento. E alerta não é desmatamento", disse.

Para ele, ao divulgar um "dado importante como esse", o diretor do Inpe, Ricardo Galvão, "tem que ter certeza do que está falando". O presidente ponderou, no entanto, que "ninguém quer censurar ninguém".

"Porque atrapalha a gente nos comércios. Nós temos a questão dos Estados Unidos, da América do Sul e do Japão. Vamos consolidar o Mercosul. Atrapalha a gente", ressaltou.

Bolsonaro disse que o objetivo não é fazer uma revisão dos dados, mas apresentar informações mais completas. Ele acrescentou que solicitou aos ministros da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, e do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que se debruçassem sobre as informações divulgadas.

"Hoje vai ser o dado real. A gente espera hoje é dar o dado real para vocês", afirmou.

O presidente deu a declaração ao participar de evento de assinatura de concessão de trecho da Ferrovia Norte-Sul, em Anápolis, Goiás. Presente no evento, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse que as novas informações vão revelar se as áreas detectadas pelos satélites eram de exploração legal ou ilegal.

"O Sistema Deter [Detecção do Desmatamento em Tempo Real] faz um alerta: apareceu uma clareira. Não quer dizer que esteja ilegal. Depois, tem um outro que é divulgado de tempos em tempos que faz a verificação se essa abertura é sobre área legal ou não", explicou.

No evento em Anápolis, foi assinado contrato com a empresa Rumo S.A, vencedora de leilão realizado em março e que ficará responsável pelo trecho de Porto Nacional, no Tocantins, a Estrela D'Oeste, em São Paulo. O tramo foi arrematado por R$ 2,7 bilhões para um total de 1.537 km. A companhia poderá atuar por 30 anos e terá de iniciar as operações em 2021.

Em discurso, Bolsonaro disse que a situação financeira do Brasil não está fácil e comparou os chefes de poderes executivos, como governadores e prefeitos, a sapos "respirando com canudo de junco".

"Nós pegamos um país quebrado, economicamente falando. Um país onde a ética e a moral não tinham mais valor. Um país cada vez mais dividido", afirmou.

O presidente afirmou ainda que nenhum de seus antecessores no Palácio do Planalto teve uma equipe ministerial como a que ele teve, com nomes "capazes, competentes e patriotas".

Ele voltou a fazer elogios ao presidente da Bolívia, Evo Morales, e disse que sua intenção é ampliar a compra de gás boliviano. "Nós temos gás deles e queremos ampliar isso", ressaltou.

Alvo de críticas no Congresso Nacional por problemas na articulação política, o líder do governo na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo (PSL-GO), também presente na cerimônia, foi defendido pelo presidente.

"Politicamente, dadas as pressões, você estava enterrado com a missa de sétimo dia marcada. Mas reagiu, teve resiliência, mostrou o seu valor", disse.

Em vídeo, gravado ao lado do prefeito Roberto Naves (PTB), o presidente afirmou ainda que a cidade goiana se livrou da "ideologia do passado" com a derrota do PT na disputa municipal. O partido esteve no comando da cidade de 2009 a 2016.

Ver comentários