Notícia

Contarato representa criminalmente contra auditor da Serra por ameaças

José Nicodemos Venturini se identificou em áudios enviados para o senador capixaba. Em um deles, diz que quer "meter o facão" em Contarato

Fabiano Contarato é senador do Espírito Santo
Fabiano Contarato é senador do Espírito Santo
Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Após receber áudios com ameaças, o senador Fabiano Contarato (Rede) anunciou, nesta quarta-feira (03), que representou criminalmente contra o autor, que proferiu frases como “quero meter o facão em você”, o auditor fiscal da Prefeitura da Serra José Nicodemos Venturini.

"O senador vai entrar com ação indenizatória por dano moral. Também, vai requerer a instauração de processo administrativo disciplinar junto à Prefeitura da Serra", informou, por meio de nota, a assessoria de Contarato. A prefeitura, por meio de nota, já confirmou que vai abrir o procedimento.

“Viado (sic) vagabundo assim tem que entrar é na porrada”, bradou, em um dos áudios que chegou até o senador. O auditor mostrou-se indignado: “Você votou contra o armamento, você é contra o Bolsonaro”

OUÇA

Áudio 1

Áudio 2

 

Contarato não concedeu entrevista. Ao jornal “Folha de S. Paulo” ele contou ter acionado a Polícia Federal e a Polícia Legislativa. Ressaltou que recebeu as ameaças após ter confrontado o ministro da Justiça, Sergio Moro, durante audiência no Senado.

O embate foi no último dia 19. De acordo com a assessoria de Contarato, os áudios foram enviados em 21 de junho. Não há, no entanto, menção ao ministro nas ameaças. Há, sim, como transcrito neste texto, palavras de baixo calão, ofensas homofóbicas e citação a Bolsonaro e à questão da flexibilização do porte de arma, proposta de Bolsonaro à qual Contarato já se contrapôs mais de uma vez.

> O que senadores do ES disseram na votação do decreto das armas de Bolsonaro

Contarato não solicitou segurança pessoal à Polícia Legislativa, também de acordo com a assessoria do parlamentar.

QUEM É

Venturini tentou ser prefeito da Serra pelo PPL em 2016, mas foi considerado inelegível. É auditor fiscal, servidor efetivo, da Serra desde 1990 e recebeu em maio, de acordo com o Portal da Transparência, R$ 11.985,07 em valores brutos.

"IMPENSADO"

Ao Gazeta Online ele admitiu ser o autor dos áudios, mas negou tê-los enviado ao senador. Disse que gravou as declarações em um momento de fúria, num “ato impensado”. Venturini revelou, ainda, que votou em Contarato.

“Tenho dois portões em casa, com uns dez plásticos (material de campanha) do Contarato. Eu estava em casa, molhando as plantas. Três, quatro pessoas passaram num carro e disseram ‘o senhor é vagabundo, safado, viado igual esse cara? (Contarato). Esse cara é contra Bolsonaro, Moro, Lava Jato’”.

> Ameaças a políticos nascem da intolerância e descrença nas instituições

“Eu tenho 61 anos, nunca fui chamado de viado na minha vida. Eu fiquei injuriado. Fiz esse áudio nesse momento assim. Estava com cinco pessoas em casa, passei para algumas pessoas. Se eu soubesse que isso viraria isso que virou jamais teria feito. Começou a viralizar”, lamentou.

O auditor agora está preocupado e novamente irritado com possíveis consequências para ele na Prefeitura da Serra. “Eu peço desculpa, mas tenho 30 anos de auditor fiscal. Quer me prejudicar? Não estou ameaçando, mas vou dizer: quem pode mais chora menos.”

DO VAL

Outro senador capixaba, Marcos do Val (PPS) também já foi alvo de ameaças, por meio de vários e-mails, e solicitou escolta pessoal. 

 

 

Ver comentários