Notícia

Marcos do Val admite sair do PPS se Hartung se filiar ao partido

Senador está dialogando com o governador Renato Casagrande sobre a possibilidade de trocar de sigla. O parlamentar já recebeu convites do Podemos e do PSL

Marcos do Val é senador do Espírito Santo pelo PPS
Marcos do Val é senador do Espírito Santo pelo PPS
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O senador Marcos do Val (PPS) admitiu que poderia mudar de partido, caso o ex-governador Paulo Hartung (sem partido) ou seus aliados mais próximos se filiassem à legenda. Ele já recebeu convites do Podemos, partido da senadora Rose de Freitas, e do PSL, pelo senador Flávio Bolsonaro.

A decisão, segundo o senador, será tomada com a orientação do governador Renato Casagrande (PSB). "Minha fidelidade sempre foi com o grupo do Renato, e ele será consultado. Ele e o grupo vão me ajudar a tomar a decisão. Se ele falar que não tem problema permanecer, permaneço. Mas não me sentiria bem estando com grupo do Paulo Hartung. Nada pessoal. Por enquanto, ele tem me dito para permanecer, que não tem necessidade de sair. Mas o cenário pode mudar", afirmou.

No último sábado (29), Do Val participou normalmente do Encontro Estadual do PPS, na Câmara de Vitória, e inclusive apoiou a filiação da empresária Tayana Dantas, durante o evento. Nos bastidores, aponta-se que Tayana teria a influência de Hartung. Ela é herdeira da UVV, que também abrigou Hartung, com o título simbólico de "embaixador" do centro universitário.

Paulo Hartung está sem partido
Paulo Hartung está sem partido
Foto: Ricardo Medeiros - GZ

Os rumores de que Hartung, que está sem partido, poderia ir para o

PPS

, devem-se principalmente à aproximação e atuação dele nos movimentos cívicos, como o RenovaBR, programa de bolsas para formação de políticos em início de carreira, e que tem o apresentador Luciano Huck como um dos seus patrocinadores.

O PPS é um dos partidos que tem recebido filiações de integrantes deste e de outros movimentos cívicos, como o Agora!, Acredito e Livres. Desde o fim do ano passado, o partido presidido pelo deputado Roberto Freire (SP) tem estreitado relações com os movimentos, muitos deles simpáticos a uma possível candidatura de Huck à Presidência da República.

CONVITES

Marcos do Val também negou que haja algum tipo de indisposição interna com o PPS, por conta de seus posicionamentos no Senado. Ele tem apoiado algumas medidas do governo Bolsonaro, como o decreto das armas, por exemplo. "O partido sempre tem me deixado à vontade, livre para defender o que acredito. Não tem desconforto".

A filiação dele ao PPS ocorreu no limite do prazo, em abril de 2018. Naquela época, ele também chegou a ter articulações avançadas com o Podemos. "Eu seria candidato a senador pelo Podemos, mas como houve a candidatura majoritária da Rose a governadora, no dia anterior ao registro, fui para o PPS, que me acolheu. Tenho essa gratidão. Mas o senador Álvaro Dias (Podemos) tem conversado muito comigo, e me convidado", disse.

Correligionário do senador, o deputado federal Josias Da Vitória (PPS) não acredita que Do Val vá sair do partido, nem tampouco que Hartung vá se filiar. "Acho que Hartung não vai entrar. Aqui não é ambiente pra ele. Aqui é partido democrático, tem que ter conversa ampla. Um ex-governador pra entrar no partido tem que ter diálogo na Executiva. Hartung tem outros partidos pra procurar. O PPS não é ambiente pra ele não", afirmou.

HISTÓRICO

Paulo Hartung saiu do PSDB em 1999 e se filiou ao PPS, quando era senador. Em outubro de 2001, quando líder do PPS no Senado, ele saiu do partido e mudou para o PSB para disputar o governo do Estado, numa ampla composição de partidos de oposição às forças ligadas ao governador José Ignácio (PSDB) que incluiu também o próprio PPS, PSDB, PDT e PTB.

O ex-governador foi procurado, mas não quis comentar sobre os rumores de sua filiação.

Ver comentários