Notícia

Bolsonaro critica imprensa e se compara a personagem Johnny Bravo

Em discurso com palavrões, na Bahia, o presidente voltou a defender a indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada brasileira nos Estados Unidos

Tarja Poder 360
Bolsonaro se comparou ao personagem Johnny Bravo
Bolsonaro se comparou ao personagem Johnny Bravo
Foto: LUCAS REZENDE/FUTURA PRESS/Montagem | Gazeta Online

Em um discurso com palavrões o presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a advogar pela a indicação de seu filho 03, deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para a embaixada brasileira em Washington, Estados Unidos, atacou a imprensa e se defendeu do uso de nepotismo. 

No discurso em Sobradinho (BA), onde participou da inauguração da Usina Solar Flutuante, na segunda-feira (5), Bolsonaro se comparou ao personagem de desenho animado Johnny Bravo, popular no fim da década de 1990. "A campanha acabou pra imprensa, eu ganhei. A imprensa tem que entender que eu, Johnny Bravo Jair Bolsonaro, ganhou, porra. Ganhou, porra!"

Em outro momento em que o presidente usou palavrões, falou sobre a necessidade de manter terras e riquezas nacionais com brasileiros: "Deixem acabar aí o nosso minério. Exaurir a nossa terra. E alguns aí querem vender para estrangeiro ainda, né? Vamos abrir mão da nossa segurança alimentar. Você vai viver do quê? De capim? Todo mundo igual? Já que falam tanto, a Folha, que falei palavrão, então deixa eu falar de novo: viver todo mundo igual na merda! É isso o que queremos? É isso o que grande parte da imprensa quer?"

O presidente também demonstrou irritação com uma reportagem do jornal "O Globo", que mostrou a indicação de 102 pessoas de grupos familiares contratados por ele e por seus filhos ao longo dos anos. Criticou a Rede Globo e o Jornal Nacional: "Ontem, 80% do Jornal Nacional (foi sobre os) 102 parentes. Vai ter vergonha na cara! A família Marinho aí! Tão os filhos lá na imprensa! Não me fala que é particular, que não é não. É concessão pública! É comum a gente, quando está do lado ali e alguém vai embora, botar alguém do circulo de amizade dos que estão ali no seu gabinete."

> Confira também:  Quem são os professores da Ufes que atuam no governo Bolsonaro

Bolsonaro citou ainda o caso de sua mulher, Michelle, que era funcionária de seu gabinete de deputado quando começaram a namorar e não foi citada na reportagem: "Não botaram minha esposa. Por quê? Bota a minha esposa! Trabalhou na Câmara comigo, porra! Bota lá, porra! Agora, esteve empregada comigo enquanto estava namorando. Quando casei, alguns meses depois, foi embora. Lá atrás deram porrada em mim. Bota agora de novo".

EDUARDO EMBAIXADOR

"Lá atrás deram porrada em mim, bota agora de novo, ou filho de político tudo agora é vagabundo, sem vergonha e não presta? Se o filho de vocês – não vocês que estão aqui – se o filho dos editores, donos da imprensa, não presta, tira eles do lado de vocês. Deixa de ele ficar no seu lado te assessorando. O pai que planta, por exemplo, manga, o filho dele vai aprender o quê? Mexer com manga! Ele tem que sair dali e plantar abacaxi porque não pode? Porque é nepotismo? Larga de idiotice, larga de frescura nessa questão", disse.

> OPINIÃO DA GAZETA: Indicação de filho de Bolsonaro para embaixada é desastre diplomático

O presidente também falou sobre as qualidades de Eduardo. "Se Deus quiser, meu filho está indo aos EUA agora, o 03 não é fritador de hambúrguer apenas né, ele também entrega pizza, pode escrever: entrega pizza. Fala inglês, espanhol, é policial federal concursado, é advogado, passou na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), esteve agora nos Emirados Árabes..."

De acordo com ele, o embaixador é um cartão de visitas e os acordos com os Estados Unidos seriam facilitados porque Eduardo é amigo da família do presidente Donald Trump. "Imagina se o Macri (Maurício Macri, presidente da Argentina) tivesse um filho embaixador querendo falar comigo, eu ia falar o quê? 'Semana que vem eu te atendo'? Vem pra cá imediatamente, é o filho do presidente Macri. Filho do Mario, do Paraguai; do Piñera do Chile. Vamo parar com essa história, essa bobeira. A campanha acabou pra imprensa, eu ganhei. A imprensa tem que entender que eu, Johnny Bravo Jair Bolsonaro, ganhou, porra. Ganhou, porra!"

Na noite de segunda-feira, o presidente postou em sua conta no Twitter uma imagem do personagem Johnny Bravo. No desenho animado, Johnny é conhecido por exibir-se flexionando seus músculos e por sua busca por uma namorada, apesar de sempre ser rejeitado.

No discurso, Bolsonaro criticou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em tipificar a homofobia como crime de racismo. "Eu to numa pelada; nós dois, um entra com uma voadora no pescoço do outro, o que que acontece? O outro fala assim: 'seu maricão'. Pronto, três anos de cadeia. Não posso falar 'maricão' mais. Onde nós vamos chegar? Não posso brincar nesse país mais", afirmou.

A esquerda também foi alvo das críticas. De acordo com Bolsonaro, ela criou as dicotomias que dividem o Brasil.

"Quem está nos dividindo? Esta esquerdalha canalha: branco e negro, nordestino e sulista, pai e mãe, patrão e empregado e homem e mulher. Pra quê? Pra governar."

> Leia também: Conheça detalhes da Embaixada do Brasil nos EUA

O QUE DISSE BOLSONARO

Veja a transcrição de trecho do discurso de Bolsonaro:

"Quando acabar as nossas commodities, nós vamos viver do quê? De capim? Só vai ter capim para a gente comer. Deixem acabar aí o nosso minério. Exaurir a nossa terra. E alguns aí querem vender para estrangeiro ainda, né? Vamos abrir mão da nossa segurança alimentar. Você vai viver do quê? De capim? Todo mundo igual? Já que falam tanto, a Folha, que falei palavrão, então deixa eu falar de novo: viver todo mundo igual na merda! É isso que queremos? É isso que grande parte da imprensa quer? O papel da imprensa é excepcional, mas continuar vendendo manchete... Ontem, 80% do Jornal Nacional... 102 parentes (referência ao telejornal da Globo que divulgou reportagem do jornal O Globo).

Vai ter vergonha na cara... Família Marinho aí... estão os filhos lá na imprensa (empresa). Não me fale que é particular que não é não. É concessão pública. É comum a gente quando está do lado ali e alguém vai embora botar alguém do círculo de amizade que estão ali no seu gabinete. Agora botam na minha conta 102 como se fosse o maior nepotista do mundo? Não botaram minha esposa. Por quê? Bota a minha esposa! Trabalhou na Câmara comigo, porra! Bota lá, porra! Agora, esteve empregada comigo enquanto estava namorando. Quando casei, alguns meses depois, foi embora. Lá atrás deram porrada em mim. Bota agora de novo.

Ou filho de político agora é tudo vagabundo, sem-vergonha e não presta? Se o filho de vocês... Não vocês que estão aqui, né? Se o filho do editor dono de uma empresa não presta, tire ele do negócio de vocês, pô! Deixa de ficar do teu lado te assessorando. Agora cada pai é obrigado... O pai que planta por exemplo aqui... manga! O filho dele vai aprender o quê? Mexer com manga. Ele tem de sair dali e plantar abacaxi porque não pode? Por que é nepotismo? Larga de idiotice. Larga de frescura nessa questão. E o parlamentar que porventura bota parente ali para ter outra vantagem que não seja no serviço, esse cara vai ter de ser alijado.

Não estou defendendo filho ou nepotismo, não. Fiquem tranquilos, tá ok? Se Deus quiser meu filho está indo para os Estados Unidos agora, o 03 não fritador de hambúrguer apenas, né, ele também pizza, pode escrever: entrega pizza. Fala inglês, espanhol, é policial federal concursado, é advogado, passou na OAB, esteve agora nos Emirados Árabes. Inclusive falou lá com os sheikes sobre compra de KC-390 (avião militar da Embraer). Já tem imbecil falando que ele não é diplomata. Qualquer um de vocês que for para o exterior vocês podem vender o bom nome do Brasil. Falar da manga de Petrolina. Apesar de você nunca ter pego uma enxada e não ter plantado nada. Nós temos de vender o bom nome do Brasil aí fora. E não ficar com essa mesquinharia. Alguém acha que eu ia indicar meu filho para uma embaixada tão importante como a dos Estados Unidos para pagar vexame?

E mais ainda: o embaixador é um cartão de visitas. Ele é amigo da família Trump. Querem melhor do que isso? Imagine se o (Maurício) Macri tivesse um filho embaixador no Brasil e quisesse falar comigo? Eu ia falar o quê? Semana que vem eu te atendo? Venha para cá imediatamente. É o filho do presidente Macri. Filho do Mario (Mario Abdo) do Paraguai. Do (Sebastian) Piñera, do Chile, ou seja quem for. Vamos parar com essa história, com essa bobeira. A campanha acabou pra imprensa. Eu ganhei! A imprensa tem de entender que eu, Johnny Bravo Jair Bolsonaro, ganhou, porra! Ganhou, porra! Vamos entender isso. Vamos trabalhar juntos pelo Brasil. O trabalho de vocês (imprensa) é excelente, desde que seja bem feito. É muito importante para o futuro do Brasil."

> Veja também: 8 vezes em que Bolsonaro usou metáforas de amor e casamento

Conteúdo produzido pelo Portal Poder360 – www.poder360.com.br. Todos os direitos reservados. Reprodução permitida mediante autorização expressa.

Ver comentários