Notícia

Presidente da Câmara de Santa Teresa é agredido com "bolsadas"

Vereadores debatiam projeto de lei da prefeitura sobre empréstimo para financiamento da iluminação pública

 

O presidente da Câmara de Santa Teresa, Bruno Araújo (PV), foi agredido enquanto discursava na sessão da noite desta terça-feira (13). Tudo transmitido ao vivo. O assunto em questão era o projeto de lei que autoriza a prefeitura a contratar um empréstimo de R$ 2,5 milhões para custear lâmpadas de LED para a iluminação pública.

O presidente defendia a proposta e criticava, sem citar nomes, quem fez postagens nas redes sociais contra a medida. "Se essas pessoas têm coragem de ir para a rede social contar mentira, que crédito tem esse cidadão para querer entrar para a vida pública em cima de mentira?"

> Câmara de Viana aprova reajuste de 70% para prefeito e vereadores

Instantes depois, surgiu o ex-servidor municipal Gabriel Braun, que atingiu o presidente algumas vezes com uma bolsa de pano. Ele gritava "me chama de mentiroso, seu desgraçado", "me chama de mentiroso, seu cretino", e logo foi contido. Araújo não se feriu. E continuou a discursar. O presidente disse que não seria preciso chamar a polícia e frisou que não havia citado nomes. 

> Prefeitura de Alegre consegue liminar que mantém a festa da cidade

Gabriel Braun fez vários posts no Facebook contra o projeto da prefeitura. Após o episódio, voltou à rede social e publicou o vídeo do momento em que confronta o presidente com a seguinte frase: "Eu não fico me manifestando com mentiras nas redes sociais! E vou manter a minha palavra até o fim!"

BOLSADAS

Ao Gazeta Online, ele resumiu: "Ele (Araújo) não mencionou meu nome, mas eu estava lá com algumas pessoas que se manifestam (nas redes sociais), amigos meus. Eu não me contive e fui lá e dei umas bolsadas". Também disse que não é filiado a partido político. "Eu me exaltei porque o presidente ficou desde o início mencionando que as pessoas que se manifestam nas redes sociais postam mentiras."

Braun já foi servidor celetista e comissionado na prefeitura e alega ter sido perseguido pela administração.

Questionado se pretende registrar boletim de ocorrência, Araújo respondeu que consultaria o setor jurídico a respeito. "Se ele quiser levar pra frente judicialmente eu vou pedir para ele provar as mentiras que foram postadas", rebateu Braun.

Gabriel Braun é irmão do vereador Braz Braun (PPS), que não se envolveu na confusão e permaneceu na sessão até o fim. 

"Ele (Gabriel) foi funcionário público da prefeitura. Por problemas ele foi demitido e com isso vem perseguindo a administração", afirma outro vereador, o 1º secretário da Mesa Diretora, Bruno Bridi (PDT).

ECONOMIA

A Prefeitura de Santa Teresa divulgou uma nota nesta terça-feira sobre o projeto do empréstimo, informando que a verba é para "custear a troca da iluminação pública por lâmpadas de LED, por meio do programa Finisa, da Caixa Econômica Federal".

> Vereador de Bom Jesus é denunciado por gastos excessivos com combustíveis

"A troca beneficiará toda a zona urbana do município com abrangência de 1775 pontos de iluminação. A substituição irá reduzir o consumo em torno de 60% e o pagamento do financiamento será efetuado com a economia gerada", diz ainda a nota.

"Os recursos arrecadados a título de taxa de iluminação pública somente podem ser utilizados pelo município em prol da própria iluminação pública. Não haverá aumento da taxa de iluminação pública para os contribuintes."

> Prefeito exonera secretário foragido por participação em homicídio no ES

Gabriel Braun havia rebatido, mais cedo, esta mesma nota, também no Facebook: "O número de residências que contribui com a taxa de iluminação pública é muito mais superior que o número de luminárias em cada logradouro e ainda assim a arrecadação não é suficiente?????????"

E completou: "Porque o problema sempre está na arrecadação dos impostos (IPTU, Taxa de Esgoto, Taxa de Iluminação, Arrecadação dos Pontos Comerciais, entre outros) que nunca está o suficiente para que as melhorias aconteçam?????". 

APROVAÇÃO 

O projeto foi aprovado pela Câmara, em votação apertada. Foi por seis votos a cinco, com o desempate feito pelo presidente. 

 

 

Ver comentários