Notícia

A Gazeta reafirma declaração de Hoffmann: "Neste momento, não há aumento previsto"

Coluna Vitor Vogas, publicada nesta terça-feira, reproduz fidedignamente a entrevista concedida pelo secretário de Governo sobre a possibilidade de reajuste para servidores

Tyago Hoffmann é secretário de Governo da gestão Casagrande
Tyago Hoffmann é secretário de Governo da gestão Casagrande
Foto: José Carlos Scheffer

O governo do Espírito Santo divulgou, na manhã desta quarta-feira (11), uma "Nota de Esclarecimento aos Servidores Capixabas", em referência à coluna Vitor Vogas publicada na noite de terça-feira (10) pelo Gazeta Online, por volta das 19 horas, e na edição desta quarta-feira do jornal A Gazeta. O título da coluna é Secretário de Casagrande: "Neste momento, não há aumento previsto"

Segundo a nota do governo, A Gazeta teria publicado "informações distorcidas". Em vídeo que acompanha a nota, o secretário de Estado de Governo afirma que "a entrevista publicada não reflete com exatidão" aquilo que ele falou.

A Gazeta não publicou nem publica "informações distorcidas", e a coluna em questão reproduz fidedignamente a entrevista concedida pelo secretário.

Às 19h49 desta terça, após a publicação do conteúdo no Gazeta Online, Tyago Hoffmann entrou em contato com o colunista. Após reconhecer que a coluna estava "muito justa" com a sua entrevista, apontou um problema pontual no título e, respeitosamente, solicitou correção. O pedido foi reforçado pela assessoria de imprensa do secretário.

O colunista considerou o pedido pertinente e imediatamente foi feita a alteração tanto no título da coluna como na chamada de capa do Gazeta Online. Às 20h20, a coluna já estava no ar, com o título devidamente modificado: "Secretário de Casagrande: 'Neste momento, não há aumento previsto'".

Quanto ao teor da coluna – considerado correto pelo próprio autor da entrevista –, não foi pedida nem feita nenhuma modificação.

A Gazeta e o colunista Vitor Vogas reafirmam a veracidade de todo o conteúdo publicado. Também reiteram seu compromisso com um jornalismo correto, ético e confiável, o que pressupõe fidelidade absoluta às declarações e informações fornecidas por qualquer entrevistado. 

A Gazeta lamenta o expediente usado pelo governo do Estado e pelo secretário Tyago Hoffmann para contestar as informações.

Ver comentários