Notícia

Foto falsa faz PT processar Magno Malta por calúnia e difamação

Senador usou Twitter para publicar imagem que ligava agressor de Bolsonaro a Lula na quinta-feira, após o ataque contra o candidato a presidente pelo PSL

O PT nacional apresentou uma queixa-crime ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o senador Magno Malta (PR), neste domingo (09), por conta de uma foto falsa que o parlamentar publicou em sua conta oficial no Twitter, na última quinta-feira (06). A imagem era uma montagem que colocava Adélio Bispo de Oliveira, preso pelo atentado contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), participando de evento com Lula.

Junto à foto manipulada, Magno escreveu um texto ligando o agressor de Bolsonaro aos petistas. "Olha rm que time joga o marginal (sic)", publicou. O PT quer que o senador do Espírito Santo seja punido pelos crimes de calúnia e difamação, previstos nos artigos 138 e 139 do Código Penal.

"(O senador) não só não se deu ao trabalho de verificar a autenticidade da foto, como usou a foto evidentemente falsa para caluniar 'o time' em que jogaria o agressor, ou seja, o Partido dos Trabalhadores, a que pertence o ex-presidente Lula. Ou seja, promove clara difusão de mensagem sabidamente inverídica no intuito de atribuir ao PT relação direta e de gerência sobre os atos do autor do atentado promovido em detrimento do candidato Jair Bolsonaro", salienta a petição protocolada pelos advogados Eugênio Aragão, Ângelo Longo Ferraro, Marcelo Winch Schmidt, Rachel Luzardo de Aragão e Miguel Filipi Pimentel Novaes.

Foto compartilhada por Magno Malta é uma montagem
Foto compartilhada por Magno Malta é uma montagem
Foto: Reprodução

A queixa-crime também salienta que o desafeto de Magno Malta com o PT não pode servir como "subterfúgio para, deliberadamente e infundadamente atribuir a autoria de crimes ao PT".

A foto original é de 10 de maio de 2017, quando Lula prestou depoimento à Justiça, em Curitiba
A foto original é de 10 de maio de 2017, quando Lula prestou depoimento à Justiça, em Curitiba
Foto: Ricardo Stuckert | Instituto Lula

Cerca de duas horas e meia após fazer a publicação na rede social, Magno Malta apagou o post. A assessoria do senador informou à reportagem, na quinta-feira, que Magno recebeu a foto e publicou sem saber que era falsa. Mas, tão logo tomou conhecimento da manipulação, optou por deletá-la.

Até pouco antes de a imagem ser excluída ela havia recebido cerca de 4 mil curtidas e retuítes (compartilhamentos). Após a exclusão, não houve nenhuma retratação do senador no Twitter, porém. Magno Malta tem mais de 360 mil seguidores na rede social.

A assessoria de imprensa de Magno Malta informou que o senador aguarda ser oficialmente citado pela Justiça.

Ver comentários