Notícia

Erro ao votar fez número de Bolsonaro aparecer como "nulo"

Nos dois vídeos que sugerem que o voto para o candidato do PSL não estava sendo computado, a opção a ser marcada era para governador

Tarja Passando a Limpo Eleições

São enganosos dois vídeos em que eleitores, na cabine de votação, sugerem que existe falha nas urnas. Eles estariam tentando votar em Jair Bolsonaro (PSL), mas, ao digitarem o número do candidato, só aparece a mensagem "voto nulo". Porém, nos dois vídeos estão visíveis os dizeres na tela da urna eletrônica: "Seu voto para governador(a)".

Em um dos vídeos, o eleitor diz estar em Mossoró (RN). No Rio Grande do Norte não havia nenhum candidato do PSL disputando o governo estadual. Portanto, confirmar o voto para governador no número 17 no estado significou dar um voto nulo.

No outro vídeo, o eleitor afirma estar votando na escola Rezende Rammel. O Comprova localizou duas unidades escolares com esse nome e ambas estão localizadas no estado do Rio de Janeiro. O PSL também não lançou candidato ao governo do Rio de Janeiro. Nesse caso, votar 17 para governador também significa votar nulo.

Tanto os números dos candidatos ao governo dos estados quanto os números dos candidatos à presidência têm dois dígitos. Se são do mesmo partido, os números são exatamente iguais. Os algarismos de cada legenda são aqueles registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Vídeo sugere que voto para Bolsonaro não era registrado na urna eletrônica, mas a opção era para governador
Vídeo sugere que voto para Bolsonaro não era registrado na urna eletrônica, mas a opção era para governador
Foto: Comprova

Apesar de os eleitores terem filmado a cabine de votação, o que possibilitou esta verificação do Comprova, usar equipamentos eletrônicos diante da urna eletrônica é crime, previsto na Lei 9504/1997, a chamada Lei das Eleições.

Em seu artigo 91-A, a norma estabelece que: "Fica vedado portar aparelho de telefonia celular, máquinas fotográficas e filmadoras, dentro da cabina de votação".

Já na Lei 4.737/1965, o chamado Código Eleitoral, é considerado crime "violar ou tentar violar o sigilo do voto". A pena é detenção de até dois anos.

O Comprova recebeu pedidos para checagem desses vídeos pelo WhatsApp – você pode pedir uma verificação para o Comprova pelo WhatsApp (11) 97795-0022. No Facebook circulam versões semelhantes, a de Mossoró ultrapassa 6,6 milhões de visualizações. Alguns posts com esses vídeos deixam claro o engano que existe nas supostas denúncias de fraude.

Ver comentários