Notícia

União cobra R$ 56,8 mil do senador eleito Marcos Do Val

Valor é referente a tributos não pagos em nome da empresa Cati Treinamento Policial. No país, dos 54 senadores eleitos em 7 de outubro, 12 possuem dívidas

Marcos Do Val foi eleito senador no último dia 7
Marcos Do Val foi eleito senador no último dia 7
Foto: Vitor Jubini

Eleito para ocupar uma cadeira no Senado pelo Espírito Santo, o consultor em segurança Marcos Do Val (PPS) é um dos 12 novos senadores, dentre 54, que possuem alguma dívida com a União, de acordo com levantamento do jornal "O Estado de S. Paulo", com base em dados da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN).

Ao todo, os senadores eleitos e que teriam dívidas somam cerca de R$ 65 milhões. Desse valor, Do Val aparece com R$ 56.842,80, sendo R$ 51.956,38 referentes à dívida previdenciária, e R$ 4.886,42 referente à dívida tributária não previdenciária. Essa última diz respeito a pendências com a Receita Federal, como impostos, taxas e tarifas obrigatórias.

Selo do 21º Curso de Residência em Jornalismo da Rede Gazeta

Os valores constam no chamado cadastro da dívida ativa (Cadin), em nome da empresa Cati Treinamento Policial Ltda, da qual o senador eleito é sócio. A quantia foi parcelada e está sendo paga, conforme informações do setor jurídico da empresa.

Segundo o advogado da empresa, Marcus Cristo, "os valores de impostos de atividades empresariais parcelados" ocorreram entre meses de 2004 a 2005. Ele informou que, nesse período, outro gestor estava à frente da administração da empresa, enquanto Do Val realizava treinamentos nos Estados Unidos. Isso teria feito com que o consultor soubesse tardiamente dos fatos.

Leia também

A defesa de Marcos Do Val disse ainda que "não há dívidas do senador eleito com a PGFN, mas sim valores de impostos de atividades empresariais parcelados, conforme determina a lei 13.496/2017, oriundos de atividades de mais de dez anos atrás da empresa Cati Treinamento Policial Ltda".

"Ele (Marcos Do Val) só ficou sabendo disso recentemente, quando o valor já tinha crescido muito. Então, registrou o parcelamento e fez a resolução", afirmou Marcus Cristo.

Ele explicou que o pagamento começou a ser realizado no ano passado e, como possuem um prazo de até cinco anos estabelecido por lei, a previsão é que a dívida seja quitada em 2021.

A autora é residente em jornalismo. Texto sob supervisão de Samanta Nogueira

Ver comentários