Notícia

Farmacêutica do Sul do ES consegue na justiça remédio para tratar AME

O medicamento, que é importado, está avaliado em R$ 3 milhões

Aline conta com a ajuda da família para fazer atividades simples
Aline conta com a ajuda da família para fazer atividades simples
Foto: Reprodução - Tv Gazeta Sul

Uma farmacêutica de

Cachoeiro de Itapemirim

, no Sul do Estado, conseguiu na Justiça a liberação do medicamento Spiranza, que custa R$ 3 milhões.

Aline Oliveira foi diagnosticada no fim de 2017 com Atrofia Muscular Espinhal (AME).

Hoje, a família de Aline está feliz, afinal foram nove meses de espera na Justiça. A sentença, assinada pelo juiz Bruno Fabiani Monteiro, da Justiça Federal de Cachoeiro, determinou que o medicamento, que é importado dos Estados Unidos, seja entregue para a farmacêutica em 30 dias.

A doença vai atrofiando os músculos com o tempo. Aline perdeu os movimentos, precisando da ajuda da família pra poder andar e fazer as coisas mais simples dentro de casa. “A gente está sofrendo muito vendo a Aline definhando e o remédio negado. E quando ela me chamou aqui na casa dela para falar que o remédio saiu, eu chorei muito. Ajoelhei no chão e agradeci a Deus ” contou a mãe de Aline, Cecília Oliveira.

> Graças a doações, bebê capixaba com doença rara consegue tratamento

Aline ainda precisa de ajuda para andar, mas é por pouco tempo. “O neurologista acredita que eu consiga 95% ou até 100% de melhora, depende de cada organismo. Tenho certeza que vai ser uma melhora muito grande porque tenho fé em Deus, primeiramente, e na medicação também . Hoje só agradecer a Deus e a todos ”, celebrou Aline.

Com a felicidade da notícia, Aline e a família sabem que venceram uma batalha, mas que ainda tem muitas desafios pela frente. “Agradecer a Deus. Tanta oração que nós fizemos e Deus nos atendeu com essa medicação da Aline e agora vamos esperar o resultado para ver, né”, finalizou Willian Ferreira, marido de Aline.

> Morre menino com AME que esperava para receber tratamento em casa

Caso a sentença seja descumprida, o Governo Federal terá que pagar uma multa fixada em R$ 1 mil/ dia.

Ver comentários