Notícia

Castelo decreta situação de emergência após deslizamento de pedras

20 famílias estão praticamente isoladas e cinco casas foram interditadas

Famílias ficam desesperadas por serem obrigadas a sair de casa
Famílias ficam desesperadas por serem obrigadas a sair de casa
Foto: Marcel Alves

O deslizamento de um paredão de pedras levou o município de Castelo, no Sul do Estado, a decretar situação de emergência nesta sexta-feira (08). Os deslizamentos começaram há aproximadamente dez dias na comunidade de Lembrança, interior do município, e com isso cinco casas foram interditadas e 20 famílias estão praticamente isoladas após a estrada ficar bloqueada. As famílias estão desesperadas.

A Defesa Civil de Castelo depende de um laudo técnico da Defesa Civil Estadual, que deve sair nesta sexta-feira (08) para depois traçar estratégias de intervenção na área. O decreto está sendo preparado e deve ser assinado no decorrer do dia segundo o coordenador da Defesa Civil Lúcio Cesconetti.

> Vídeo: novo deslizamento de pedra assusta famílias em Castelo

A olho nu é possível perceber vários fragmentos de pedras que estão soltos. A Defesa Civil Estadual fez imagens aéreas onde identificou várias rachaduras e trincas, o que acaba aumentando o risco de outras partes caírem também.

“Depois de uma análise criteriosa dessas fotos e vídeos, nós chegamos à conclusão de que o risco está muito grande. Está muito perigoso e pode causar novos deslizamentos desse bloco rochoso que está pendurado e atingir as pessoas que estão aqui embaixo”, afirmou Lúcio.

Duas casas já haviam sido interditadas na última semana e nesta quinta-feira (07) outras três casas foram interditadas. Para quem sempre viveu e tirou o sustento da família do campo receber a notícia da interdição não foi fácil. “A gente fica apreensivo porque é com patrimônio que a gente sobrevive”, disse o produtor rural Luiz Zaedes Guizard.

A estudante Natália Guizard ficou desesperada ao receber a notícia de que teria que sair de sua casa. “A gente não sabe o que a gente faz. Porque viver aqui não tem como. Viver com medo se vai cair ou não vai? Pode até não cair, mas o medo atrapalha tudo”, disse.

Algumas pedras atingiram a casa da dona de casa Vanessa Fim Cogo, que já havia sido interditada, pois está bem próxima da pedra. Ela e a família estão na casa de parentes. “A lembrança é a todo momento. A gente não consegue esquecer. A todo segundo a gente começa a lembrar. Dormir, praticamente não dorme. Peço que Deus e Nossa Senhora continue nos protegendo, nos abençoando e mostrando o caminho dando uma luz ”.

Até os moradores que não tiveram a casa interditada estão com medo, pois as pedras continuam rolando. As pedras rolaram há mais de dez dias na comunidade . O córrego ficou soterrado e a estrada ficou interditada. 20 famílias ficaram isoladas e foi feio um desvio no meio de uma plantação de café, mas por causa da chuva dos últimos dias a estrada ficou cheia de lama.

“Além dessas famílias nós temos igreja, tem o campo de futebol, cemitério, que é tudo para cima. Tem a produção de café, leite e outros, então é muito difícil a situação”, contou o produtor rural Pedro Valani.

O laudo da Defesa Civil Estadual deve ficar pronto ainda nesta sexta-feira (08), mas as análises feitas na quinta já mostraram que mais pedras podem se soltar do paredão. A orientação é de que as famílias que permaneceram no local precisam sair de casa ao menor sinal de desmoronamento.

Ver comentários