Notícia

Casos de agressão contra crianças caem em Cachoeiro de Itapemirim

A média de denúncias registradas neste ano é de seis registros por dia. No ano passado, média era de quinze relatos

Os casos de violência contra a criança e ao adolescente em Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Estado, caíram segundo dados dos conselhos tutelares do município. A média de denúncias registradas neste ano é de seis por dia. No ano passado, o índice era mais que o dobro, chegou a quinze relatos de agressões por dia.

Adolescente foi vítima de agressão este ano em Cachoeiro de Itapemirim
Adolescente foi vítima de agressão este ano em Cachoeiro de Itapemirim
Foto: Divulgação

Dois conselhos compõem o serviço de recebimento e encaminhamentos dos casos de violência em Cachoeiro. Enquanto o conselho I, no bairro Monte Cristo, recebeu apenas dois casos este ano, o da região da Ilha da Luz, ouviu 36 denuncias de crime contra a criança.

As marcas de agressão registradas pelo corpo de uma adolescente é um dos casos que chegaram este ano ao conselho do bairro Monte Cristo. A conselheira do núcleo, Eliana Carvalho, conta que os números diminuíram, mas é no ambiente escolar que as denuncias mais aparecem. “Esses casos chegam mais de escolas, a escola mediante a criança e ao adolescente, um fala para o outro e chega aos pedagogos, professores e passam para conselho”, conta a conselheira.

Já no bairro Ilha da Luz os números são maiores. Em todo o ano passado 176 denuncias chegaram ao conselho da região. Este ano, os relatos chegam a 36. Quem atua no núcleo, é a conselheira Ariana Viana. Ela explica que nem todos os casos a violência é física, há também a agressão psicológica.

“Quando há sinais de fato de agressão física já encaminhamos e vai ao Departamento de Polícia Judiciária, encaminhamos para exames de lesões e depois e encaminhamos ao Ministério Público. Em caso de violência psicológica, fazemos também o acompanhamento psicológico, e, em como todos os casos, são encaminhados ao Creas”, afirma Viana.

No ano passado, um caso chegou ao extremo e uma criança foi morta. Luiz Gustavo dos Santos Morais, de nove anos, morreu asfixiado com um cinto no dia 16 de outubro no bairro Marbrasa. Um mês depois, o padrasto e a mãe da criança foram presos.

Sinais

Segundo as conselheiras, os sinais no comportamento da criança indicam a agressão. “Geralmente o primeiro local onde os comportamentos são identificados é a escola. As vezes, a criança é muito alegre e passa a ficar retraída, fica muito agressiva se dá por conta de uma violência psicológica”, comenta a conselheira Ariana Viana.

Denúncias

Em Cachoeiro, os casos de agressão podem ser denunciados pelo Disk 100 ou nos conselhos tutelares do município. A unidade que funciona na Ilha da Luz atende pelos telefones (28) 3155-5284, 3155-5002 e 98814-3515. A outra regional do conselho tutelar fica no bairro Monte Cristo. Os telefones são 3526-8725, 3526-8751 e 98814 - 3507.

Ver comentários