Notícia

Bolsonaro precisa articular para evitar que MP 870 perca a validade

A falta de trato político do governo Bolsonaro pode ter um custo alto para o país, com o retorno à configuração ministerial da gestão Temer, com 29 pastas

A reconfiguração da Esplanada dos Ministérios foi uma das principais bandeiras do atual governo e está em jogo
A reconfiguração da Esplanada dos Ministérios foi uma das principais bandeiras do atual governo e está em jogo
Foto: Ana Volpe/Senado

O relógio está correndo enquanto a medida provisória da reforma administrativa não é votada pelo Congresso. A falta de trato político do governo Bolsonaro pode ter um custo alto: o retorno à estrutura ministerial da gestão Michel Temer, com 29 pastas, enquanto atualmente há 22. A reconfiguração da Esplanada foi uma das principais bandeiras do atual governo e está em jogo, caso a votação não ocorra até 3 de junho. É a mesma situação da MP que permite a estrangeiros o controle de empresas aéreas no Brasil, que vence amanhã, e de outros textos parados na Câmara e no Senado.

>Insatisfação a Bolsonaro cresce e governo reúne derrotas no Congresso

Percebe-se assim como a desorganização da base governista pode causar estragos à própria estrutura de governo. O Executivo tem a atribuição de se relacionar com os parlamentares, com portas abertas para um diálogo permanente que provoque a motivação em torno de medidas importantes para o país. A reforma da Previdência é o maior emblema dessa situação. Não se pede que Bolsonaro ceda à politicagem, mas comece a dar uma chance à política, como se espera de um presidente. Com capacidade para driblar, inclusive, os interesses escusos de certos parlamentares que, sim, existem.

Não é por pouco que o mercado acompanha com tanta apreensão não só o encaminhamento da reforma do sistema previdenciário, como a própria votação desta Medida Provisória 870 que trata da reestruturação ministerial. O governo já teve uma derrota quando a comissão especial do Congresso decidiu transferir o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça para o da Economia. É o estranhamento entre governo e Congresso que tem mantido uma tensão cada vez mais repulsiva aos olhos dos investidores.

> Especialista: Deixar Coaf na Justiça é ir na contramão da Europa

Em menos de 24 horas, Jair Bolsonaro mordeu e assoprou. Ontem, em evento da Firjan, no Rio de Janeiro, afirmou que o grande problema do Brasil é a classe política. Mais tarde, durante o lançamento da segunda fase da campanha publicitária da reforma da Previdência, atenuou o discurso e fez um aceno a deputados e senadores: “Nós valorizamos, sim, o parlamento brasileiro, que vai ser quem vai dar a palavra final nesta questão da Previdência”.

>Bolsonaro sanciona projeto que isenta partidos de multas por infrações

Há também uma falha na própria apresentação das medidas pelo Executivo. Tanto que, em 135 dias de governo, um levantamento do jornal O Estado de S. Paulo aponta que já há 30 contestações no Supremo de medidas provisórias ou decretos elaborados pela equipe de Jair Bolsonaro, principalmente por falta de rigor técnico e jurídico, caso do decreto que ampliou o direito ao porte de armas. Uma equipe de governo que busque a eficácia de suas propostas precisa estar mais atenta a essas minúcias.

Só assim a agenda do presidente fluirá no Congresso: sem imposições, com aproximações estratégicas. Bolsonaro ainda precisa descer do palanque. Com uma boa articulação política, medidas provisórias deixam de dar dor de cabeça e são aprovadas com facilidade e em tempo hábil.

Ver comentários