Notícia

Mortes nas BRs não são acaso, são fruto de falhas bastante humanas

Acidente na BR 101 que matou três pessoas de uma mesma família aponta problemas na fiscalização das cargas e dos veículos e na conduta do motorista

Acidente com carreta na BR 101, na Serra
Acidente com carreta na BR 101, na Serra
Foto: Fernando Estevão

“Pena que acabou, vou embora... mas planejando a próxima, se assim Deus permitir”. As palavras registradas em uma rede social são de Danielli Martins, pouco antes de retornar ao Espírito Santo após viagem de férias com a família ao Nordeste do país. Ela, o marido e um bebê não chegaram a seu destino, em Viana, porque o carro em que estavam foi atingido por uma carreta que transportava granito. Outro filho do casal está em estado grave.

O acidente na BR 101 na noite de segunda-feira (10) carrega diversos ingredientes de uma tragédia, e alguns deles não têm nada a ver com destino ou acaso, mas sim com falhas bastante humanas, na fiscalização das cargas, dos veículos e das estradas.

Os comprimidos de anfetamina encontrados na carreta, se comprovado o uso, talvez sejam o mais grave desses fatores humanos.

Comprimidos de rebite encontrados em cabine de carreta envolvida no acidente que tirou a vida de três pessoas da mesma família e deixou uma criança em estado gravíssimo
Comprimidos de rebite encontrados em cabine de carreta envolvida no acidente que tirou a vida de três pessoas da mesma família e deixou uma criança em estado gravíssimo
Foto: Divulgação

Usada com frequência por caminhoneiros para aguentar longas jornadas, a substância pode se tornar ainda mais comum nas estradas, já que um projeto de lei do presidente Jair Bolsonaro inclui a proposta de que não seja mais obrigatória a realização do exame toxicológico para motoristas profissionais. É a autorização, em lei, para que condutores trafeguem alterados, colocando vidas em risco.

> Pesquisa revela que 7,8% dos caminhoneiros usam drogas

A impunidade também encontra trânsito livre com outras duas mudanças recentes na fiscalização. O caminhoneiro que evadir, obstruir ou dificultar a fiscalização durante transporte de cargas terá um belo alívio no bolso.

A multa, que era de R$ 5 mil, foi reduzida pela Agência Nacional de Transportes Terrestres e agora custa 11% do valor anterior, apenas R$ 550. Além disso, a autarquia também suspendeu um acordo que permitia que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) emitissem multas de infrações regulamentadas pela ANTT, como o transporte clandestino de cargas.

Excesso de peso, desvios de balança e eixos adulterados são problemas frequentes que, mais do que meras infrações, configuram condutas criminosas, com consequências óbvias. No ano passado, uma operação da PRF e do Ministério Público do Estado desbaratou uma quadrilha acusada de adulterar eixos. O cálculo era de que mais de 2 mil acidentes poderiam ter sido causados por veículos modificados de forma fraudulenta.

> Relembre acidentes graves com carretas transportando granito na BR 101

A morte trágica da família se soma a esse número assustador, em que o transporte de rochas tem um triste protagonismo. Há eventos que os capixabas não apagam da memória, como a colisão entre uma carreta, um ônibus e uma ambulância que deixou 23 mortos. Três meses depois, outro caminhão que levava granito bateu em um micro-ônibus, matando 11 pessoas, em Mimoso do Sul.

Acidente grave com caminhão carregado de granito e micro-ônibus, na BR 101, em Mimoso do Sul, em 2017
Acidente grave com caminhão carregado de granito e micro-ônibus, na BR 101, em Mimoso do Sul, em 2017
Foto: Renata Resstel

Ambas as tragédias ocorreram em 2017 na BR 101 e nas duas foram constatadas irregularidades. O atraso na duplicação da rodovia, que se arrasta desde 2013, é outro agravante. É uma combinação fatal que não pode encontrar respaldo na falta de fiscalização, na burocracia e em mudanças disparatadas do Código de Trânsito.

Ver comentários