Notícia

Lava Jato: Leitores comentam mensagens de Moro e Dallagnol

Conversa divulgada por jornal mostra que ex-juiz Sergio Moro e Deltan Dallagnol, do MPF, trocavam colaborações quando integravam a força-tarefa da Operação Lava Jato

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, participa de reunião na Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal, para falar sobre o pacote anticrime e da atuação do Ministério da Justiça e Segurança Pública
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, participa de reunião na Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal, para falar sobre o pacote anticrime e da atuação do Ministério da Justiça e Segurança Pública
Foto: José Cruz/Agência Brasil

Mensagens atribuídas ao ex-juiz Sergio Moro e ao procurador Deltan Dallagnol, do Ministério Público Federal, foram divulgadas neste domingo (9) pelo site Intercept Brasil. Os textos, trocados pelo aplicativo Telegram entre 2015 e 2018, mostram que os dois trocavam colaborações quando integravam a força-tarefa da Operação Lava Jato.

Na troca de mensagens, membros da força-tarefa fazem referências a casos como o processo que culminou com a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no caso do tríplex de Guarujá. Segundo a reportagem, Moro sugeriu ao MPF trocar a ordem de fases da Lava Jato, cobrou a realização de novas operações, deu conselhos e pistas e antecipou ao menos uma decisão judicial.

Especialistas em direito dizem que não haveria, a princípio, nenhuma ilegalidade, mas pode ter havido desvio ético. A equipe de procuradores da operação divulgou nota chamando a revelação de mensagens de "ataque criminoso à Lava Jato" e disse que o caso põe em risco a segurança de seus integrantes. O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, negou que nas mensagens haja "qualquer anormalidade ou direcionamento" da sua atuação como juiz.

>Para ministro do STF, caso coloca em dúvida equidistância da Justiça

O assunto foi um dos mais debatidos pelos leitores na manhã desta segunda-feira (10), na página do Gazeta Online no Facebook. Confira alguns comentários:

Moro retirou o principal adversário do jogo, ganhou cargo no governo e a promessa de virar ministro do STF. Atuou politicamente e de forma orquestrada com membros do MPF. Transformou essas instituições em seu instrumento político! Sou leigo na parte das atribuições de cada instância do Judiciário. Agora tenho certeza que ter relações dessa forma que foi explicitada entre o procurador e o juiz é inaceitável. Podemos ou não gostar do Lula, mas se a instituições são usadas com interesse político, acabou o Estado de Direito, qualquer pessoa pode ser vítima de um processo viciado. Isso é extremamente grave! (Paulo Vinícius C. Souza)

Por isso você entra na Justiça e fica 20 anos esperando uma ação. Quando alguém quer trabalhar e fazer a máquina andar, tem sempre alguém para criticar. Os bandidos que assaltaram o país durante anos estariam na rua ferrando a gente mais ainda. Ainda bem que Moro fez isso, todos deveriam fazer assim. (Leonardo Eliotério) 

Desvio ético não é uma ilegalidade? Um juiz combinar a forma de um promotor agir? Mas calma que vem mais, não foi divulgado nem 1% ainda dos áudios, mensagens e até vídeos. Está evidenciada a articulação em cima da prisão do Lula. Em nenhum momento fiz defesa dele, até acho que não seja esse exemplo de boa índole, mas até para que não surja debate em cima da sua prisão, ela deveria ser baseada em provas. As mensagens esclareceram que ele foi condenado se baseando em uma reportagem de 2010, o próprio Moro e Dallagnol falam que não têm provas contra ele. Devemos sempre defender um Estado de Direito, dentro da legalidade. (Clelton Piancó) 

A Lava Jato já devolveu bilhões aos cofres públicos! Só temos que agradecer a eles. (Nathalie Toscano)

 Deltan Dallagnol, procurador da República e coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato
Deltan Dallagnol, procurador da República e coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato
Foto: Ricardo Medeiros

Em outro país isso era caso de exoneração ou uma renúncia! E não adiantam dizer que não tem nada, pois tem e é grave! (Eduardo Miranda Coutinho)

Se há crime, é a invasão da privacidade do juiz e dos procuradores e o furto e o vazamento de informações sigilosas. Isso precisa ser apurado e esclarecido. O que eles falaram entre si não tem nada de ilegal. (Bruno Falce)

Sabe o que é engraçado? Ninguém negou a troca de mensagens. Quer dizer que agora a Justiça não precisa ter ética, mas o jornalismo sim? (Rodrigo Sobrinho)

Vazamento de áudio não autorizado de uma presidente: Ok! Vazamento de áudio não autorizado de um juiz: Absurdo! Falta de ética! A hipocrisia é linda, né? (Inglid Loris)

Quem com vazamento fere, com vazamento será ferido. Achou que era o dono do mundo, né, senhor juiz parcial e político? (Mônica Patrícia) 

A sociedade de bem agradece mais uma vez ao ministro Sergio moro pelos relevantes serviços prestados à sociedade e que ele continue combatendo o crime organizado com mais rigor e ferocidade ainda. (Jailson Meireles do Nascimento) 

Ele fraudou provas, como assim agradecem? O direito já diz: é melhor um culpado solto do que um inocente na cadeia. Sejamos justos e não partidários. (Glauce Schaider)

Quem diria... Nem convicção Dallagnol tinha. (Jaqueline Silva) 

Adorei as mensagens que trocaram. Se a imprensa exibiu querendo nos revoltar, mais uma vez me encheu de orgulho! Parabéns, Lava Jato. (Valerya Schiffler) 

Feriu um dos princípios básicos da Justiça: a imparcialidade. (Homero W. L. Geremias) 

Ou você está ao lado da Justiça (incluindo todas prerrogativas) ou ao lado da Lava Jato. Os dois não dá! (Tatiene Germano) 

A cada dia admiro mais Sergio Moro. Os homens que sustentam a palavra dada são poucos. Alguns preferem não saber de nada. (Maria Klöckner) 

O árbitro de futebol que combina o resultado do jogo com seu time, manipula a partida e expulsa sem falta é o que mesmo? (Raphael Santan)

Ver comentários