Notícia

Leitores discutem tentativa de censura a gibi na Bienal do Livro

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, mandou recolher exemplares de quadrinhos dos "Vingadores ". Medida gerou polêmica e foi suspensa pelo STF

Livros com temática LGBT são distribuídos na Bienal do Livro realizada no Rio Centro, Zona Oeste do Rio, no sábado (07)
Livros com temática LGBT são distribuídos na Bienal do Livro realizada no Rio Centro, Zona Oeste do Rio, no sábado (07)
Foto: Estefan Radovicz/Agência O Dia

A Bienal do Livro do Rio de Janeiro terminou no domingo (8), com um saldo de 600 mil visitantes, quatro milhões de livros vendidos e uma grande polêmica. Na sexta-feira (6), o prefeito Marcelo Crivella mandou recolher exemplares do gibi “Vingadores - A Cruzada das Crianças”, porque teria “conteúdo sexual para menores”.

Na obra, que foi lançada em 2010 e não é destinada ao público infantil, os personagens Wiccano e Hulkling são namorados. Em vídeo na internet, Crivella citou o Estatuto da Criança e do Adolescente, que prevê lacre em obras impróprias para crianças.

A medida do prefeito, que chegou a enviar fiscais à Bienal, teve reação imediata, com uma enxurrada de mensagens de apoio e de crítica nas redes sociais. O youtuber Felipe Neto comprou mais de 10 mil exemplares do livro, que foram distribuídos de graça no evento, no sábado (7). Autores de livros de temática LGBT também protestaram.  

>Distribuição de obras LGBT gera filas e mercado de troca na Bienal do Rio

A censura chegou ao STF. O presidente da Corte, Dias Toffoli, suspendeu despacho do presidente do Tribunal de Justiça do Estado, Cláudio de Mello Tavares, que havia voltado a autorizar a ação de fiscais da prefeitura no evento. O ministro acolhe pedido da procuradora-geral Raquel Dodge. O prefeito diz que vai recorrer.

>Tentativa de censura ajuda a promover literatura LGBT na Bienal do Rio

Na sequência da disputa judicial, outra polêmica. O juiz do Rio que acatou pedido da prefeitura havia afirmado, em sentença de 2009, que heterossexuais têm o direito de entenderem que a homossexualidade é uma doença.

Confira comentários dos leitores sobre o tema:

Quem tem que saber o que os filhos vão ler são os pais. Inclusive quem comprou o gibi para criança, antes deveria ter visto o que estava comprando. O Rio está precisando de um gestor, não de um tutor. Trabalhar no que é necessário que é bom, nada. (Patricia Stelzer Luppi Pettersen) 

Sou contra a comercialização do livro em locais onde a indicação do público é livre, mas não podemos ser ingênuos em achar que coisas desse tipo não são vistas por aí. A internet, por exemplo, é um mundo onde a criança e o adolescente podem achar de tudo, se os pais não exercerem controle. (Mateus Taliuli)

Os livros que foram distribuídos na Bienal em São Paulo são um desrespeito às famílias brasileiras. Crianças têm que ser crianças. Opinião minha. Agora, entre quatro paredes, cada um tem a intimidade que quer! (Sacer Diaguts)

Felipe Neto comprou 14 mil livros com temática LGBT para serem distribuídos gratuitamente na Bienal do Rio de Janeiro
Felipe Neto comprou 14 mil livros com temática LGBT para serem distribuídos gratuitamente na Bienal do Rio de Janeiro
Foto: Reprodução/Youtube

Casais heterossexuais se beijam onde e quando bem entenderem. Existem tantas histórias que mostram o príncipe beijando a princesa. Nunca vi gente censurando, mandando fazer entre 4 paredes ou falando de proteger crianças. Beijo não é pornografia. (Luan Silva) 

Não é censura... é conteúdo inadequado para a idade. Namorar menino ou menina, casar, ter filhos ou não, isso tudo acontece na fase adulta. (Rosa Pinto da Silva) 

Eu me apego ao discurso do Drauzio Varella: “se a sexualidade do seu vizinho te incomoda a ponto de agredi-lo, quem precisa de ajuda é você”. (Raiane Pinheiro) 

Um juiz deveria tomar suas decisões baseado em aspectos técnicos e independentemente de suas crenças e convicções, ele deveria ser neutro! Isso em qualquer outro lugar do mundo, mas no Brasil é ao contrário! Pode não concordar com a felicidade do seu próximo, mas é dever ter respeito! (Matheus Loureiro) 

Qual o conhecimento médico que esse juiz tem para contrariar a OMS? (Adolfo Brás S. Filho)

Doença é achar natural crianças morrendo por falta de políticas públicas. Doença é não fiscalizar saúde e educação na íntegra e dizer que um livro vai incentivar isso ou aquilo. (Jumara Rocha) 

Acho que deveriam se preocupar em ter livros que ensinem as nossas meninas que não precisam depender de homens para serem felizes. Que meninos podem chorar sim. Que homens precisam respeitar as mulheres e não terem sentimentos de posse, evitando assim os feminicídios. Ensinar aos homens que devem ter compromisso com a criação dos filhos, mesmo separados das mães. Para se ter uma família tradicional é necessário fazer a sua parte. (Teresa Andrade) 

Esse é o problema de acreditar que juízes podem decidir de acordo com a própria consciência. Ninguém se importa com a opinião de juiz. Importa, isso sim, que sigam as orientações firmadas pelas próprias cortes superiores do país, que, inclusive, defendem as minorias! (Felipe Pravato) 

Censurar, tudo normal até aí... agora dizer que quem é LGBT é doente foi um argumento ridículo! Não concordar com quem é gay é direito de qualquer um, agora ofender e desmerecer uma pessoa por sua vida particular é um disparate! (Luis Flavio Libardi) 

A liberdade de expressão vai até onde começa o direito do outro. Se suas palavras ferem a dignidade humana, logo deixa de ser uma questão de mera opinião. Homofobia é crime! (Raiaq Roos)

Ver comentários