Gazeta Online

Notícia

Agência dos EUA pede que homens parem de lavar camisinhas

"Estamos falando porque as pessoas fazem isso", escreveu a CDC. Entenda quais problemas a prática indevida pode acarretar para a saúde do indivíduo

Camisinha
Foto: Divulgação

Preservativo não é uma peça de roupa íntima para durar por um longo período. Muito menos um objeto reutilizável. Contudo, ao que parece, essa compreensão não está clara para todas as pessoas, a ponto de fazer com que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), que tem sede nos Estados Unidos, se visse obrigado a emitir um aviso à população através de sua conta no Twitter.

"Estamos falando porque as pessoas fazem isso: não lave nem reutilize camisinha. Use uma nova a cada ato sexual", escreveu a agência, ligada ao Departamento de Saúde e Serviços Humanos do governo norte-americano.

O órgão não deu mais detalhes sobre o real motivo da postagem e não emitiu novos comunicados sobre o tema, mas a imprensa norte-americana acredita que a medida pode estar relacionada a divulgação recente de dados preocupantes sobre as doenças sexualmente transmissíveis.

Em 2016, o número de casos de gonorreia, clamídia e sífilis foi o maior desde o início dos registros, atingindo 2 milhões de casos.

Segundo o site da agência, "todas essas três DSTs podem ser curadas com antibióticos, mas se não diagnosticadas e tratadas, podem trazer sérias consequências à saúde, como infertilidade, gravidez ectópica (gravidez anormal que ocorre fora do útero), morte do feto e um risco aumentado de transmissão de HIV", diz o site do CDC.

Um estudo aponta que 1,4% e 3,3% das pessoas admitiram ter reutilizado o mesmo preservativo. No entanto, a pesquisa alerta que estas são apenas as porcentagens de pessoas que admitiram fazer isso.

REUTILIZAÇÃO DA CAMISINHA PODE GERAR PROBLEMAS

Estudiosos alertam que reutilizar ou lavar um preservativo é como reutilizar ou lavar o papel higiênico. A camisinha é projetada para ser usada exclusivamente uma vez, o que significa que, ao removê-la a qualquer momento durante o sexo - mesmo que sem querer -, a pessoa estará colocando ela e seu parceiro em risco.

Além disso, lavar um preservativo de qualquer maneira pode comprometer a integridade física de ambos. Água e sabão não removem nem eliminam todos os microrganismos, como o HIV ou a hepatite C, que podem estar presentes no preservativo após o sexo.

Outro problema de reutilizar um preservativo é que assim as chances de que ele se rompa fica maior.

Tirar a camisinha antes de acabar o ato, não desenrolá-la por completo, não apertar a ponta para tirar o ar que pode ficar preso ali, não checar para ver se o preservativo está danificado de alguma forma ou ainda colocá-la do lado errado, retirá-la, virá-la e usá-la em seguida são práticas arriscadas e erradas.

No ad for you